Home » Cadeia do Leite » AM: Produção de leite recebe incentivos

AM: Produção de leite recebe incentivos

28/08/2017 11:03:55 - Por: Diário da Amazônia

Na região de Mirante da Serra, produtores são beneficiados com as linhas de incentivo do Sebrae.

Responsive image
O Ministério da Agricultura, Pecuária e Abastecimento (Mapa), em parceria com o Sebrae, promovem a ascensão de 80 mil produtores de leite para a classe média rural por meio do Programa Leite Saudável, com a adoção de políticas públicas para aumento da produtividade, da qualidade do leite e da ampliação dos mercados interno e externo. Na região de Mirante da Serra, em Rondônia, mais de 50 produtores estão inseridos no programa. “O Sebraetec está disponível para toda empresa que necessita de um trabalho de inovação tecnológica, seja na informatização, no processo produtivo, no marketing ou de qualquer outra forma”, disse Valdemar Camata Junior, diretor-superintendente do Sebrae Rondônia.

Ele explicou que, em se tratando de melhoramento genético, é preciso melhorar o plantel e elevar a produtividade, que é essencial nesse momento. “Rondônia tem uma grande capacidade de processamento na indústria, podendo processar até 4 milhões de litros de leite por dia, mas o Estado tem hoje uma produção de menos de 2 milhões. A indústria está com metade de sua capacidade ociosa. Melhorar significa ampliar as condições de produção e começar a recuperar a produção leiteira no Estado, que já foi de 2,6 milhões de litros por dia”, detalhou o superintendente.

Para o coordenador do Programa Leite Saudável, economista e analista técnico do Sebrae Sebastião da Conceição Oliveira, o programa centraliza ações para fortalecer a cadeia produtiva, por meio do melhoramento genético via inseminação artificial em tempo fixo (IATF). O projeto engloba propriedades rurais familiares com produção média de 147 litros de leite por dia.

“Estamos utilizando recursos do Sebraetec nesse programa, porque 90% dos empresários rurais não trabalhavam com melhoramento genético. É extremamente importante o emprego desse recurso, que é efetivo e ajuda muito o produtor. Acredito que, com a adoção de tecnologias de material genético superior por meio da inseminação artificial e transferência de embriões, teremos um grande incremento na produção”, destacou Sebastião Oliveira.

O Programa Leite Saudável é viabilizado com parte dos créditos presumidos do Programa de Integração Social (PIS) e da Contribuição para o Financiamento da Seguridade Social (Cofins), acumulados na compra do leite in natura pelas agroindústrias, como na Laticínio Monte Verde, em Mirante da Serra. A empresa pode compensar os créditos de seus produtos no PIS, na Cofins, em outros tributos administrados pela Receita Federal, ou até mesmo reembolsar em dinheiro até 50% do seu valor. Para tanto, precisa destinar obrigatoriamente o mínimo de 5% do montante a projetos de fomento agropecuário aprovados pelo Mapa.

Segundo o gerente regional da Emater, Antônio de Assis Furtado, a medida agilizará os processos de produção no Estado. “Estamos desde o início acompanhando esse projeto porque entendemos a importância desse investimento tanto na genética quanto na alimentação das matrizes para alavancar a produção”, disse.