Home » Cadeia do Leite » Preço do leite ao produtor tem nova queda

Preço do leite ao produtor tem nova queda

31/08/2017 08:47:56 - Por: Valor Econômico

Pelo terceiro mês seguido, os preços médios do leite ao produtor recuaram no Brasil.

Responsive image
Pelo terceiro mês seguido, os preços médios do leite ao produtor recuaram no Brasil. E o ritmo de queda se intensificou no pagamento de agosto, como já havia ocorrido no mês anterior, de acordo com levantamento da Scot Consultoria. O produtor recebeu neste mês, em média, R$ 1,127 pelo litro do leite entregue aos laticínios em julho, recuo mensal de 2,45%.

Novamente, a maior oferta de leite para processamento pelas empresas e a demanda ainda débil pressionaram os valores pagos aos produtores do país.

A produção de leite está em alta apesar da estiagem em regiões de produção de Minas Gerais, Goiás e São Paulo em função dos grãos mais baratos, o que estimula o investimento na alimentação do gado leiteiro, observou Rafael Ribeiro, analista da Scot.

Assim, mesmo com o clima "típico de entressafra", a oferta de leite continua a crescer. Segundo o Índice Scot de Captação de Leite, a captação da matériaprima, na média nacional, teve alta de 3,1% em julho sobre junho, e dados parciais indicam avanço de mais 1,9% em agosto sobre julho. Em comparação com agosto de 2016, o aumento é de 3,6%, de acordo com a Scot.


O levantamento da Scot mostra que os preços do leite longa vida no atacado e no varejo também continuam pressionados em função da demanda fraca no país. "A demanda está ruim por isso o varejo está fazendo promoções [de longa vida], o que acaba sendo repassado para o produtor de leite", afirmou o analista.

Segundo a Scot, o preço do leite longa vida no atacado paulista caiu R$ 0,08 em agosto, para R$ 2,32 por litro. No varejo, o litro saiu de R$ 3,10 em julho para R$ 2,96 em média, este mês.

Dados da MilkPoint Mercado vão na mesma direção. Segundo a consultoria especializada em lácteos, o valor médio do longa vida no atacado paulista ficou em R$ 1,94 por litro de agosto, ante uma média de R$ 2,78 em agosto do ano passado, considerando valores já deflacionados pelo IGP-DI.

Na avaliação do analista da Scot, Rafael Ribeiro, tanto os preços ao produtor quanto no varejo devem seguir em queda até pelo menos outubro. A razão é que se espera a volta das chuvas a partir de setembro, o que deve melhorar as pastagens, garantido alimento para o rebanho.

Além disso, a demanda deve continuar patinando, acredita o analista. "O poder de compra do consumidor está menor", disse Ribeiro. Diante disso, há formação de estoques de lácteos no mercado brasileiro.

Conforme pesquisa mensal da Scot com 156 laticínios, a expectativa é de nova retração das cotações ao produtor no pagamento de setembro para 64% dos entrevistados. Uma fatia de 33% acredita em manutenção e apenas 3% esperam alta. Essa minoria está na região Nordeste, onde a produção tende a cair com o período de seca.