Home » Cadeia do Leite » Leite: estiagem e preço atormentam produtor em Minas Gerais

Leite: estiagem e preço atormentam produtor em Minas Gerais

05/09/2017 09:22:42 - Por: Canal Rural

Custos de produção voltaram a subir após seis meses; pecuaristas de algumas regiões mineiras não recebem chuva há 3 meses, dificultando manejo do gado.

Responsive image
Após seis meses de queda, o custo de produção na atividade leiteira voltou a subir. Em Minas Gerais, além do preço, a estiagem tem tirado o sono dos pecuaristas – em algumas regiões não chove há três meses e a seca dificulta o manejo do gado no pasto.

O produtor de leite Neilson Batista de Carvalho recebeu em julho pelo litro de leite R$ 1,10, valor 11% menor que o do mês anterior. Para tentar diminuir as perdas, resolveu fazer apenas uma ordenha diária.

Carvalho conta que perde em média cerca de R$ 0,30 por litro. “Fazer duas ordenhas no preço que o leite está hoje é aumentar o prejuízo”, diz.

No Triângulo Mineiro, a estiagem já dura quase três meses e a previsão é que só volte a chover no fim de outubro. A falta d´água prejudica a produção de forragens e obriga o produtor a aumentar a suplementação do gado, principalmente em sistemas extensivos. O zootecnista Juliano Resende afirma que o planejamento alimentar deve ser feito em cima do consumo de matéria seca, que é estimado com base no peso da vaca, na produtividade do animal, no teor de gordura do leite e nos dias em lactação.

Resende lembra que, quanto mais pesada é a vaca, mais ela come. Além disso, é preciso levar em conta que tende a comer mais quanto mais avançada estiver a lactação. “Tem muita gente que, nos meses de setembro ou outubro começa a comprar silagem, porque o que tinha acabou e paga R$ 300 a tonelada, o que é inviável”, diz o zootecnista.

Na pecuária leiteira, a dieta nutricional representa até 70% dos gastos totais da atividade. De acordo com os dados da Scot Consultoria, o custo de produção voltou a subir após seis meses de queda. A alta de 0,1%, embora pequena, representa mudança de ciclo para o segundo semestre – e a margem do produtor pode ser ainda menor se a seca for prolongada.

Para o assessor técnico da Comissão de Pecuária de Leite da Confederação de Agricultura e Pecuária do Brasil (CNA), Thiago Rodrigues, o produtor pode reduzir a margem nos próximos meses, principalmente em relação aos gastos com concentrado. “O milho provavelmente vai reagir até o final do ano e a soja também tem a expectativa que feche o ano com patamar maior do que está hoje, e isso tudo reflete na margem do produtor”, afirma Rodrigues.

Outro fator determinante na renda é o preço do leite. Segundo o levantamento da Scot Consultoria, a cotação do produto caiu quase 7% em Minas Gerais nos últimos doze meses. Atualmente, o valor pago está na média de R$ 1,15 por litro. Segundo analistas de mercado, a tendência é de novas quedas ao longo do semestre.

Para Thiago Rodrigues, da CNA, as cotações se mantiveram entre maio e junho, mas iniciaram o movimento descendente de junho para julho porque a captação aumentou. “Tivemos uma recuperação média na captação de 4,5%, e trabalhamos com possibilidade de os pagamentos de agosto e setembro operarem em queda”, diz. Para ver o vídeo desta reportagem completa clique aqui.




hacklink child porno hacklink medyum beylikdüzü escort chip satışı zynga chip zynga chip chip satışı istanbul evden eve nakliyat sancaktepe evden eve nakliyat mersin escort astropay astropay bozum astropay bozdurma paykasa sisli escort bayan