Home » Cadeia do Leite » Leite: estiagem e preço atormentam produtor em Minas Gerais

Leite: estiagem e preço atormentam produtor em Minas Gerais

05/09/2017 09:22:42 - Por: Canal Rural

Custos de produção voltaram a subir após seis meses; pecuaristas de algumas regiões mineiras não recebem chuva há 3 meses, dificultando manejo do gado.

Responsive image
Após seis meses de queda, o custo de produção na atividade leiteira voltou a subir. Em Minas Gerais, além do preço, a estiagem tem tirado o sono dos pecuaristas – em algumas regiões não chove há três meses e a seca dificulta o manejo do gado no pasto.

O produtor de leite Neilson Batista de Carvalho recebeu em julho pelo litro de leite R$ 1,10, valor 11% menor que o do mês anterior. Para tentar diminuir as perdas, resolveu fazer apenas uma ordenha diária.

Carvalho conta que perde em média cerca de R$ 0,30 por litro. “Fazer duas ordenhas no preço que o leite está hoje é aumentar o prejuízo”, diz.

No Triângulo Mineiro, a estiagem já dura quase três meses e a previsão é que só volte a chover no fim de outubro. A falta d´água prejudica a produção de forragens e obriga o produtor a aumentar a suplementação do gado, principalmente em sistemas extensivos. O zootecnista Juliano Resende afirma que o planejamento alimentar deve ser feito em cima do consumo de matéria seca, que é estimado com base no peso da vaca, na produtividade do animal, no teor de gordura do leite e nos dias em lactação.

Resende lembra que, quanto mais pesada é a vaca, mais ela come. Além disso, é preciso levar em conta que tende a comer mais quanto mais avançada estiver a lactação. “Tem muita gente que, nos meses de setembro ou outubro começa a comprar silagem, porque o que tinha acabou e paga R$ 300 a tonelada, o que é inviável”, diz o zootecnista.

Na pecuária leiteira, a dieta nutricional representa até 70% dos gastos totais da atividade. De acordo com os dados da Scot Consultoria, o custo de produção voltou a subir após seis meses de queda. A alta de 0,1%, embora pequena, representa mudança de ciclo para o segundo semestre – e a margem do produtor pode ser ainda menor se a seca for prolongada.

Para o assessor técnico da Comissão de Pecuária de Leite da Confederação de Agricultura e Pecuária do Brasil (CNA), Thiago Rodrigues, o produtor pode reduzir a margem nos próximos meses, principalmente em relação aos gastos com concentrado. “O milho provavelmente vai reagir até o final do ano e a soja também tem a expectativa que feche o ano com patamar maior do que está hoje, e isso tudo reflete na margem do produtor”, afirma Rodrigues.

Outro fator determinante na renda é o preço do leite. Segundo o levantamento da Scot Consultoria, a cotação do produto caiu quase 7% em Minas Gerais nos últimos doze meses. Atualmente, o valor pago está na média de R$ 1,15 por litro. Segundo analistas de mercado, a tendência é de novas quedas ao longo do semestre.

Para Thiago Rodrigues, da CNA, as cotações se mantiveram entre maio e junho, mas iniciaram o movimento descendente de junho para julho porque a captação aumentou. “Tivemos uma recuperação média na captação de 4,5%, e trabalhamos com possibilidade de os pagamentos de agosto e setembro operarem em queda”, diz. Para ver o vídeo desta reportagem completa clique aqui.