Home » Cadeia do Leite » Mercado de sêmen cresce no 1º semestre

Mercado de sêmen cresce no 1º semestre

22/09/2017 09:55:29 - Por: ABS Pecplan

Puxado pela pecuária leiteira, vendas subiram 7,6% em relação a igual período em 2016.

Responsive image
A Associação Brasileira de Inseminação Artificial (ASBIA) divulgou hoje, 21 de setembro, o Relatório ASBIA Index 2017, que mostra o desempenho do setor no primeiro semestre deste ano. Em termos gerais, o mercado de sêmen registrou crescimento de 7,6%.

“Com os dados, estimamos que de 12 a 15% das matrizes brasileiras sejam inseminadas. É um número que infelizmente está parado nos últimos anos, barrando a evolução do rebanho nacional”, lamentou Márcio Nery, diretor da Asbia.

O grande destaque do levantamento ficou com a pecuária de leite, com um salto de 24,8% em relação ao mesmo período de 2016. E, acompanhando este número, um crescimento de 28% nas vendas de botijões até 20 litros.

Para Nery, sem dúvida, a recuperação do preço de leite e a estabilidade dos custos de produção em patamares menores interferiram nos resultados. “Demonstra claramente uma recuperação, mas este crescimento ainda não é suficiente. Estamos nos mesmos níveis de utilização da tecnologia de 2013/2014. Estamos longe de retomar o patamar ideal”, comentou o diretor. Os principais estados compradores de sêmen leiteiro foram Minas Gerais, Rio Grande do Sul e Paraná.

Também como era previsto pelo mercado, a pecuária de corte, mesmo impactada pela série de acontecimentos como Operação Carne Fraca, Funrural, crise política envolvendo a JBS, e consequentes quedas no preço da arroba,  sofreu pequena queda de -3,4%. Os estados de Mato Grosso e Mato Grosso do Sul respondem por mais de 33% deste mercado.

Outros números. O Relatório Index ASBIA 2017 também traz outros números importantes. O comércio exterior também se superou. As exportações cresceram 60,4%, somando mais de 162 mil doses (contra pouco mais de 101 mil do 1º semestre de 2016). Destaque para o avanço na área de corte, onde os principais destinos da genética brasileira foram Bolívia e Paraguai. Já Colômbia e Equador se destacaram como importadores de sêmen das raças leiteiras.

“Este crescimento demonstra que o mercado brasileiro está cada vez mais importante, principalmente, para os países. Estamos evoluindo em termos de segurança das centrais e de protocolos sanitários”, avalia o diretor Nery.

O levantamento da Asbia reforçou o crescimento da prestação de serviço pelas Centrais de Inseminação (coleta de reprodutores particulares), que aumentou 57,9% neste primeiro semestre.