Home » Cadeia do Leite » Preços pagos ao produtor em baixa

Preços pagos ao produtor em baixa

04/10/2017 10:24:57 - Por: Diário do Comércio

Pelo quarto mês consecutivo, os pecuaristas de Minas Gerais registraram queda nos preços recebidos pelo leite.

Responsive image
Pelo quarto mês consecutivo, os pecuaristas de Minas Gerais registraram queda nos preços recebidos pelo leite. De acordo com o levantamento do Centro de Estudos Avançados em Economia Aplicada (Cepea), no Estado, o pecuarista recebeu, em setembro, em média líquida, R$ 1,09 pelo litro de leite entregue em agosto, redução de 4,94% na variação mensal. Na comparação anual, a retração é de 30,12%, uma vez que em setembro de 2016 o litro estava cotado a R$ 1,56. De acordo com o Cepea, as sucessivas quedas verificadas nos preços do leite são provocadas pela demanda fraca por parte dos consumidores e pelo aumento da captação.

Em Minas Gerais, o valor bruto do leite em setembro, referente à produção entregue em agosto, foi de R$ 1,20, valor 4,67% menor.

No período, o Índice de Captação de Leite (Icap-L), de julho para agosto, apresentou alta de 4,9% na média Brasil, que é calculada levando em conta os resultados de Goiás, Minas Gerais, Paraná, Rio Grande do Sul, Santa Catarina, São Paulo e Bahia. O recuo no preço médio líquido, na média Brasil, foi de 6,16% frente a agosto, com o litro negociado a R$ 1,08.

Uma das justificativas para a redução é o menor consumo de produtos lácteos, reflexo do alto índice de desemprego e da redução do poder de compra das famílias.

“O cenário é complicado e preocupa o produtor. O consumo parece ser estimulado, através de promoções e de preços baixos nas gôndolas. Ao que tudo indica, a desvalorização de preços que observamos no início da cadeia (produtor rural) não se reflete no final da cadeia. O varejo e o atacado estão pressionando a indústria para uma redução dos preços dos lácteos, uma vez que não estão conseguindo girar os estoques. Ao mesmo tempo, as indústrias estão tendo que lidar com o difícil equilíbrio entre receber o pagamento dos clientes, remanejar estoques altos, definir estratégias de planejamento e pagar os produtores”, disse a Pesquisadora da área de leite do Cepea, Natália Grigol.

A pesquisadora ressaltou ainda que o desafio do produtor é grande. “O pecuarista tem o desafio de manter a rentabilidade em um cenário em que a receita está diminuindo. O momento é decisivo para planejamento dos próximos meses, que é o período de reforma das pastagens”.

Custos - Segundo o Cepea, os baixos valores pagos pelo leite estão comprometendo a condição de investimentos por parte dos produtores, situação que pode se agravar, já que a tendência é de novas quedas nos preços recebidos e de aumento dos custos, principalmente pela valorização do milho, após as altas verificadas nas exportações.

“Recentemente, os preços do milho se elevaram em função do crescimento das exportações e também pela falta de chuvas, o que atrasou o plantio em algumas localidades. Estes fatores indicam que pode ocorrer falta do grão e, consequentemente, aumento dos preços do cereal e da ração nos próximos três meses. Os produtores estão pensando em ampliar a área de silagem para reduzir custo com alimentação em 2018, porém, com o atual cenário instável para os lácteos, a decisão pode ser prejudicada”, explicou Natália.

Regiões - No Estado, a maior desvalorização observada nos preços do leite foi na região Sul e Sudoeste. A queda atingiu 7,64% e o litro de leite foi negociado a R$ 1,11 na média líquida. No Triângulo e Alto Paranaíba, o pecuarista recebeu R$ 1,08 pelo litro de leite, valor 6% inferior ao praticado no mês anterior.

Na região do Rio Doce, o litro foi comercializado a R$ 1,02, queda de 3,57%. Na Região Metropolitana de Belo Horizonte (RMBH) a cotação do litro, R$ 1,13, apresentou desvalorização de 5,27%.

Na Zona da Mata foi verificada alta de 1,12% nos preços líquidos, com o litro cotado a R$ 1,05. Já na média bruta, o valor recuou 2,05%, com o pecuarista recebendo R$ 1,10 pelo litro de leite.