Home » Cadeia do Leite » Índia: vacas são equipadas com sensores e fornecem dados em tempo real

Índia: vacas são equipadas com sensores e fornecem dados em tempo real

27/12/2017 09:02:54 - Por: Quartz, traduzidas pela Equipe MilkPoint

A criação de uma rede de sensores da Internet de Coisas (IoT) que monitora questões relacionadas à saúde e à fertilidade irá melhorar o manejo do gado.

Responsive image
Milhares de vacas indianas estão constantemente transmitindo informações sobre suas respectivas saúdes diretamente aos seus produtores. Por exemplo, a Chitale Dairy em Bhilawadi, Maharashtra, produz 400 mil litros de leite todos os dias, juntamente com dados de 10 gerações de vacas (aproximadamente 200 mil animais) por meio de dispositivos exclusivos de identificação por radiofrequência (RFID). 

Esses sensores fornecem uma série de informações, incluindo notícias de prenhez, lembretes de vacinação e até recomendações de mudança de dieta. Oficiais do setor de lácteos podem acessar os registros através de seus smartphones e agir de acordo com os dados. Se aplicado amplamente, esta tecnologia poderia melhorar consideravelmente as práticas e a produtividade da indústria de lácteos da Índia.

A Índia produz 155,5 milhões de toneladas de leite por ano e está no caminho para aumentar essa produção em 49% até 2026. A criação de uma rede de sensores da Internet de Coisas (IoT) que monitora questões relacionadas à saúde e à fertilidade irá melhorar o manejo do gado, com a tecnologia ajudando a identificar problemas de saúde e garantir um tratamento precoce, além de monitorar períodos secos. Além dos sensores, existem outras inovações que ajudam o setor de produção de leite no país, inclusive em boas práticas de reprodução.

O Herdman, um aplicativo móvel criado pela empresa de software veterinário VetWare, captura dados dos animais com códigos de resposta rápida (QR), informou a FactorDaily. O aplicativo cria um repositório para todos os dados de feed de métricas, dias para puberdade e parto, peso, saúde e rastreamento de doenças, produção e qualidade do leite, etc. Estes dados são então usados ara avaliar a saúde do gado e encontrar os touros certos, ajudando a criar uma nova geração mais saudável.

Os benefícios desse tipo de abordagem de dados tem sido significativo para a Chitale. A produtividade do leite aumentou de 350 mil litros por dia há três anos para mais de 750 mil litros por dia hoje, apesar de o número de vacas permanecer mais ou menos inalterado. A Chennai’s Hatsun, maior operação leiteira da Índia com 220 mil vacas, também está adotando a tecnologia.

"Softwares como o Herdman ajudam a manter os dados acessíveis. Por exemplo, quando um produtor está avaliando uma vaca para comprar, pode escanear a etiqueta do código QR e ler todos os dados históricos para tomar uma decisão de compra mais informada", disse Arvind Gautam, chefe da empresa norte-americana de genômica de gado ABS Global India.

No entanto, ainda que as "vacas conectadas" estejam se tornando mais comuns entre as grandes fazendas leiteiras, bem como entre produtores individuais, outras práticas recomendadas ainda estão chegando na Índia.

A startup austríaca, SmaXtec, por exemplo, coloca sensores conectados no estômago das vacas para transmitir dados sobre a temperatura, o conteúdo ácido-alcalino, o movimento, a atividade e os sinais de que o animal está no cio através do wi-fi. Este sistema de medição é mais seguro e reduz a chance de faltar sinais específicos.

Outra maneira de melhorar a saúde geral é maximizar o pastoreio, para o qual a True-North Technologies e o Cambridge Design Industrial, com sede nos Estados Unidos, se uniram para desenvolver um colar conectado. Esse colar rastreia a localização da vaca e seus movimentos e, os dados dela, podem ser usados em conjunto com monitores IoT de cumprimento do pasto e cerca eletrônica para orientar as vacas para pastagens mais verdes.