Home » Cadeia do Leite » Emater/RS: forrageiras perenes de verão em pleno desenvolvimento e com boa qualidade

Emater/RS: forrageiras perenes de verão em pleno desenvolvimento e com boa qualidade

29/12/2017 09:59:21 - Por: Emater/RS. Foto: Alcides Okubo Filho/Embrapa

As forrageiras perenes de verão aries, jiggs e tífton estão em pleno desenvolvimento e ofertam boa qualidade de forragem nas áreas manejadas adequadamente.

Responsive image
As forrageiras perenes de verão (aries, jiggs e tífton) estão em pleno desenvolvimento e ofertam boa qualidade de forragem nas áreas manejadas adequadamente. As forrageiras anuais de verão (milheto, capim sudão) oferecem boa quantidade e qualidade de forragem. A diminuição das chuvas neste mês de dezembro reduziu o crescimento das pastagens; no entanto ainda não afeta a disponibilidade de forragem para os animais. Com as chuvas deste final de semana (entre 80 e 110 mm), a disponibilidade e qualidade irão aumentar. As lavouras de milho silagem semeadas em final de agosto e início de setembro estão sendo colhidas. Muitas destas ainda não estariam no ponto de colheita, mas devido ao calor, precisam ser colhidas para não “queimar do sol”. 

De modo geral, essas lavouras do cedo ficaram com porte baixo, devido ao estresse hídrico sofrido no início do ciclo e aos dias com temperaturas baixas durante o desenvolvimento vegetativo. Houve ataque intenso de lagartas e percevejos em algumas áreas. As lavouras semeadas em outubro e novembro estão entre as fases de desenvolvimento vegetativo a início de florescimento, com bom desenvolvimento. Também se beneficiarão das chuvas ocorridas neste último final de semana. A produção diminuiu nos últimos dias devido ao forte calor de algumas regiões produtoras, e também têm ocorrido alguns casos de leite “lina” (instável e não ácido). Já o preço da ração tem sofrido aumento nos dois últimos meses, em função da valorização do milho e farelo de soja. Período de nascimento de terneiros, com maiores cuidados para a ocorrência de onfaloflebites. 

Na região da Campanha, a estiagem está prejudicando o desenvolvimento das pastagens de verão e consequentemente a produção de leite. O fornecimento de ração é moderado, devido aos baixos preços pagos aos produtores. Os plantios das pastagens de verão estão atrasados devido à falta de umidade do solo. Já na região de Santa Rosa, o clima está muito favorável para o desenvolvimento das pastagens. Segue em andamento a produção de silagem de planta inteira de milho, a qual apresenta muito bom potencial de produção, superior a 35 t/ha. Também houve boa produção de feno, pois há sobra de forragens, fazendo que os produtores disponibilizem boa reserva de alimentos em caso de estiagem e de períodos de menor oferta de forragens. Muitos produtores estão aproveitando o triguilho na alimentação das vacas leiteiras. 

A última semana foi de temperaturas altas, causando estresse térmico nas vacas leiteiras. O calor tem praticamente impossibilitado o pastejo durante o dia e dificultado alguns manejos. Como estratégia, o produtor tem buscado maximizar o aproveitamento das pastagens durante a noite e fornecer suplementação de silagem ou até mesmo de pasto cortado durante o dia, em locais com sombra. O calor tem gerado desconforto para as vacas e, mesmo com a boa oferta forrageira, tem limitado a ingestão durante as horas mais quentes do dia. A diminuição do consumo forrageiro devido ao calor também refletiu na redução da produtividade das vacas leiteiras. 

Comercialização 

Os preços pagos aos produtores em dezembro variaram conforme a indústria compradora; algumas mantiveram os preços do mês anterior e outras reduziram em 3 centavos; houve empresas que aumentaram o preço em 3 centavos, tudo isso variando num espectro entre R$ 0,84 a R$ 1,20 por litro de leite. Foram pagos valores mais altos para produtores de maior volume de leite e melhores parâmetros de proteína, gordura, CCS (Contagem de Células Somáticas), conforme Instrução Normativa 62 do Mapa. Havia uma tendência de lenta recuperação nos preços, o que até o momento não aconteceu. Também se nota uma queda no preço do comércio, o que deve refletir na remuneração ao produtor. Há tendência de diminuir no próximo mês e de abandono da atividade entre alguns agricultores que têm baixa produção.