Home » Cadeia do Leite » A incrível fábrica de leite

A incrível fábrica de leite

19/01/2018 10:27:28 - Por: Dinheiro Rural

O goiano Laticínios Bela Vista se tornou o quinto maior do Brasil, apostando em gestão, foco e visão de negócio.

Responsive image
Bela Vista de Goiás é um município minúsculo, quase um ponto perdido no mapa do Estado, habitado por cerca de 28 mil pessoas. Passaria despercebido e sem qualquer referência, caso dois de seus moradores, César Helou e seu irmão Marcos, não tivessem transformado uma pequena fábrica de produtos lácteos na quinta maior empresa de laticínios do País, de acordo com a Associação Brasileira dos Produtores de Leite (Leite Brasil). Fundado em 1955 e comprado pelo pai Saladi Helou em 1974, o Laticínios Bela Vista fica atrás, apenas, de duas multinacionais: a suíça Nestlé e a francesa Lactalis, e de uma cooperativa, a CCPR Itambé. “Nunca pensamos em ser grandes“, diz Cesar Helou, diretor de Relações Institucionais da empresa. “Mas, com muito esforço ao longo dos anos, conseguimos conquistar nosso espaço no setor.”

No mundo corporativo, o sucesso do negócio dos irmãos Helou se tornou conhecido em todo o País. O laticínio, que processa atualmente 5 milhões de litros de leite por dia, captados de 7 mil produtores, é referência em gestão, foco e visão de negócio. Pelo seu desempenho geral, neste ano o laticínio sagrou-se campeão da categoria Agronegócio Direto – Grandes Empresas do prêmio AS MELHORES DA DINHEIRO RURAL 2017. Nessa categoria, o prêmio de Melhor Gestão Financeira ficou com o moinho paulista Anaconda, e o prêmio de Melhor Gestão Corporativa ficou com a e a alagoana Usina Coruripe, produtora de açúcar, álcool e energia elétrica a partir da cana-de-açúcar. No caso do Laticínio Bela Vista, na premiação por setor de atuação, a empresa ficou em primeiro lugar.

Atualmente, atuam no mercado de lácteos cerca de dois mil laticínios. De fato, o Brasil é grande no setor de lácteos, ficando entre os cinco maiores do mundo. São 1,3 milhão de pecuaristas que no ano passado produziram 33,6 bilhões de litros. Mas também é dono de um setor cheio de contradições que têm se tornado oportunidades de negócio. A explicação é simples.

Embora seja um grande consumidor de leite fluído, com cerca de 60 litros anuais por habitante, quantidade muito próxima de países desenvolvidos, o consumo brasileiro de derivados de lácteos, como manteiga, queijos, iogurtes, achocolatados e leites especiais ainda é muito baixo. 

Atento a tudo: O Laticínios Bela Vista, dos irmãos Marcos (à esq.) e Cesar Helou (à dir.), utiliza a sua marca mais conhecida, a Piracanjuba, para apresentar ao mercado os lançamentos de maior valor agregado. Foto: Marco Ankosqui.

O Laticínios Bela Vista cresceu apostando, justamente, na diversificação de produtos para atender esse mercado. A empresa foi a primeira do mercado a lançar leite sem lactose. Também começou, no ano passado, a apostar em leites aromatizados. Não por acaso, a receita da empresa foi de R$ 2,7 bilhões no ano passado, 26,4% superior à do período anterior. Os irmãos Helou também puseram o pé na estrada. Além da unidade processadora em Goiás, hoje a empresa, com 2,3 mil funcionários, também atua em Maravilha (SC), Governador Valadares (MG) e Dr. Maurício Cardoso (RS). O portfólio é de cerca de 100 produtos das marcas Piracanjuba, Pirakids, LeitBom e Chocobom. “E pensar que assumimos uma empresa pequena e sem capital para investir ou contratar funcionários”, diz Helou. 

Hoje, a história é bem diferente. Agora, investimos para ser uma grande empresa.” E prossegue. “No final de 2016, compramos uma fábrica de queijos no Rio Grande do Sul e, em agosto deste ano, um pequeno laticínio no Paraná.” Os investimentos foram da ordem de R$ 10 milhões por cada unidade. Com as aquisições, o objetivo da família Helou é triplicar a produção do lácteos até 2019, incluindo novos produtos. “Também queremos crescer na área de queijos”, afirma Helou. Atualmente, são fabricadas 6 mil toneladas de produtos por ano. A companhia também tem interesse em instalar uma fábrica, em Imperatriz (MA), divisa com o Estado de Tocantins. O projeto servirá à demanda na região Nordeste.