Home » Cadeia do Leite » Quem disse que todo iogurte grego é saudável?

Quem disse que todo iogurte grego é saudável?

09/02/2018 09:57:45 - Por: Revista Encontro

Especialista fala sobre benefícios e desvantagens do produto que ganhou o gosto dos brasileiros.

Responsive image
O iogurte grego geralmente está associado a uma dieta saudável, tanto que caiu no gosto dos brasileiros que levam uma vida mais "fitness". O alimento, no entanto, deve ser ingerido com cautela, já que existem várias receitas distintas sendo produzidas. Em alguns casos, são adicionados creme de leite e gelatina para dar maior cremosidade – simulando a consistência original.

Uma publicação feita no Instagram pela People for the Ethical Treatment of Animals (PeTA) – famosa instituição mundial de proteção dos animais –, diz que o iogurte grego teria três vezes mais gordura saturada do que o comum. Neste caso, segundo a nutricionista Luana Caroline dos Santos, professora da UFMG, a quantidade de lipídios realmente é alta, mas nem sempre chega a ser três vezes maior que o encontrado nas versões tradicionais, pois depende do modo de produção.

"Minha sugestão é que o consumidor sempre leia o rótulo para comparar diferentes produtos e escolha, dentre esses iogurtes, aqueles com menor quantidade de gorduras. Olhar a lista de ingredientes também é válido, pois temos, no mercado, iogurtes gregos com muito açúcar, gelatina e creme de leite", alerta a nutricionista.

Conforme explica a especialista, originalmente, os iogurtes "gregos" foram formulados a partir da filtragem e exclusão do soro do leite, com o intuito de apresentar maior consistência e cremosidade que as versões tradicionais – método muito usado nos países em que esse tipo de produto faz parte da cultura, como no Oriente Médio e no leste europeu. "Com isso, o produto final apresenta maior teor de proteína e pouca gordura. No entanto, esse processo de produção não é barato e várias marcas adaptaram. Hoje, temos no mercado produtos ditos ‘gregos’, mas com composições muito distintas", revela Luana Santos.

A professora da UFMG recomenda o consumo de iogurte grego como um lanche entre as refeições, especialmente se for acompanhado de frutas ou fibras (cereais, por exemplo). "Como a quantidade de proteínas é maior, a sensação de saciedade é mantida por mais tempo. A quantidade de vitaminas e minerais também é uma vantagem deste produto, assim como o auxílio na regulação da flora intestinal por meio das bactérias naturalmente presentes na sua fabricação", comenta a especialista.

Coalhada

A coalhada fresca poderia ser uma opção mais saudável? Segundo a nutricionista, ela possui menos calorias e sua composição nutricional é mais equilibrada. "A coalhada conhecida como ‘seca’, em que se retira totalmente o soro de leite, acaba sendo muito parecida com o iogurte grego original", diz Luana.

Contraindicação

A especialista lembra que o iogurte grego não é o mais indicado para quem deseja emagrecer, pois contém elevada densidade calórica. O produto também não é recomendado para quem sofre com dislipidemias (distúrbios nos níveis de lipídios ou lipoproteínas no sangue, como colesterol elevado, por exemplo) pela quantidade de gordura presente nele. Também não deve ser consumido por aqueles que sofrem de intolerância alimentar ao leite.