Warning: session_start(): Cannot send session cookie - headers already sent by (output started at /home/guialat/public_html/index.php:3) in /home/guialat/public_html/conecta.php on line 2

Warning: session_start(): Cannot send session cache limiter - headers already sent (output started at /home/guialat/public_html/index.php:3) in /home/guialat/public_html/conecta.php on line 2
GuiaLat - A central dos fornecedores de laticínios 

Home » Cadeia do Leite » Leite: economize 60% com silagem de capim

Leite: economize 60% com silagem de capim

01/03/2018 10:34:44 - Por: Canal Rural

Pesquisador da Embrapa fala dos benefícios da troca do milho pelo capim na alimentação dos animais.

Responsive image
Com a alta nos preços do milho, a silagem de capim é uma alternativa para baratear os custos de produção da atividade leiteira. O pesquisador da Embrapa Mirton Morenz conta quais são os benefícios dessa troca utilizando a variedade BRS Capiaçu, um clone do capim-elefante lançado pela entidade em 2016.

Segundo Morenz, a silagem de capim vem como alternativa ao produtor para reduzir esse custo de produção em até 60% e permitir a competitividade. “A nossa variedade, o BRS Capiaçu, possui alta produtividade e aceita colheita mecanizada muito bem. Além disso, ele permite uma redução de custos se comparado à silagem de milho, já que custa em torno de R$ 110 a tonelada por hectare e o capim acaba ficando em torno de R$ 30 essa mesma tonelada”, disse.

Investimento 

O pesquisador lembra que uma das vantagens do capim é que, depois do plantio, o capim pode durar de 10 a 15 anos. “O milho precisa ser plantado o tempo todo, o que gera mais custos. Outro ponto positivo é a questão climática, pois faça chuva ou faça sol o capim continua lá. Por fim, esse volumoso não precisa ser utilizado necessariamente para a silagem, como no caso de vaca seca e novilha.

“Uma das grandes vantagens é que, depois de feito o plantio, o capim pode durar de dez a 15 anos. Já o milho, precisa ser plantado o tempo todo, o que gera mais custos. Outro ponto positivo é a questão do risco climático, pois faça chuva ou sol o capim continua lá. Por fim, esse volumoso não precisa ser utilizado necessariamente para silagem de milho, como no caso de vaca seca e novilha e, com isso o produtor tem essa alternativa para fazer a alimentação do rebanho com o volumoso mais barato”.

Segundo o pesquisador, a variedade da Embrapa tem potencial de produção de 300 toneladas por hectare/ano de massa verde, o que representa cerca de 30% ou 40% a mais do que o potencial do capim-elefante Cameroon. “Em relação ao milho, o grão teria uma produção em torno de 50 ou 60 toneladas de massa verde/ano. Com o capim, se produz muito mais massa e é um dos fatores de custo de produção”, contou.

Valor nutricional 

“Em relação ao valor nutricional, não há comparação com o milho, que é o que temos de melhor de melhor em qualidade nutricional quando falamos de forragem conservada. Embora a silagem do capim-elefante perca um pouco em proteína (fica em 5,5% e o milho pode chegar a 7%), é possível fazer uma correção fornecendo um pouco mais de concentrado, o que é vantajoso por causa do custo de produção”, finalizou.