Home » Cadeia do Leite » MG: São João del-Rei sedia Encontro Técnico do Queijo Minas Artesanal Região Campo das Vertentes

MG: São João del-Rei sedia Encontro Técnico do Queijo Minas Artesanal Região Campo das Vertentes

19/03/2018 08:27:07 - Por: Emater MG

O objetivo é apresentar o Programa do Queijo Minas Artesanal.

Responsive image

A Empresa de Assistência Técnica e Extensão Rural do Estado de Minas Gerais (Emater-MG) e o Instituto Mineiro de Agropecuária (IMA), instituições vinculadas à Secretaria de Estado de Agricultura, Pecuária e Abastecimento (Seapa), promoveu nesta sexta-feira (16), o Encontro Técnico do Queijo Minas Artesanal Região Campo das Vertentes. O evento foi realizado no anfiteatro da Universidade Federal de São João del-Rei (Ufsj), no Campus Ctan (BR 494, Km 02, Colônia do Bengo), do município de São João del-Rei, de 9h às 12h30. 

O objetivo é apresentar o Programa do Queijo Minas Artesanal aos produtores dos municípios do Campo das Vertentes, que passam por um estudo de caracterização, com vistas a serem incluídos na região produtora da iguaria. A informação é do coordenador técnico regional de Pecuária da Emater-MG, Odair José Gerônimo. Segundo o coordenador, o encontro é também aberto à participação de produtores de queijo dos 15 municípios já incluídos na região produtora Campo das vertentes. 

"Atualmente são 15 o número de municípios que fazem parte da região produtora do Queijo Minas Artesanal Campo das Vertentes. Mas esse número pode aumentar para 23, pois os municípios de Antônio Carlos, Barbacena, Carandaí, Dores de Campos, Entre Rios de Minas, Ibertioga, Ibituruna e Ressaquinha querem ingressar também", afirma. 

De acordo com Odair José, além da apresentação do programa, a agenda da reunião desta sexta-feira inclui depoimentos de produtores de leite e de Queijo Minas Artesanal. "O encontro será muito importante para mostrar o potencial do Queijo Minas Artesanal produzido no Campo das Vertentes. Esse queijo é uma fonte de agregação de valor na cadeia da pecuária leiteira", argumenta. 

Programa Queijo Minas Artesanal

A Emater-MG orienta os produtores em boas práticas de fabricação, para garantir a segurança alimentar e facilitar o cadastramento das queijarias no Instituto Mineiro de Agropecuária (IMA), órgão responsável pela inspeção sanitária. A empresa mineira de extensão rural também exerce um papel importante na mobilização e organização dos produtores. O Programa Queijo Minas Artesanal contempla a organização dos produtores, padronização de produtos, melhoria de embalagens, qualificação dos produtores e técnicos, comercialização e, finalmente, a melhoria da qualidade dos queijos. 

De acordo com o Instituto Mineiro de Agropecuária (IMA), órgão estadual credenciado junto ao Ministério da Agricultura, Pecuária e Abastecimento (Mapa), atualmente existem 268 produtores mineiros cadastrados, aptos para a produção de Queijo Minas Artesanal e habilitados para vender dentro do território mineiro. Entretanto a qualidade na produção desse tipo de queijo vem progredindo e abrindo mercados em outros estados. É o caso das queijarias do município de Medeiros. Detentoras do selo do Ministério da Agricultura, o Sisbi-Poa (Sistema Brasileiros de Inspeção de Produção de Origem Animal), elas já comercializam seus queijos em São Paulo e no Paraná. 

Características

O Queijo Minas Artesanal é fabricado no Estado em sete microrregiões caracterizadas: Araxá, Campo das Vertentes, Canastra, Cerrado, Serra do Salitre, Serro e Triângulo mineiro. O reconhecimento das regiões é respaldado por estudos que avaliam o processo de fabricação e as características peculiares do local de origem, como a história, a economia, a cultura e o clima, entre outros. 

É considerado Queijo Minas Artesanal somente aquele que mantém as características de produção artesanal, a partir de mão de obra familiar, com produção em baixa escala e utilização de leite cru (não é permitido leite pasteurizado). Ele é apreciado graças ao conhecimento passado entre gerações e às suas características peculiares. O modo artesanal da fabricação foi registrado como patrimônio cultural imaterial brasileiro pelo Instituto do Patrimônio Histórico e Artístico Nacional (Iphan).