Home » Cadeia do Leite » Seca provoca prejuízos na produção de leite em Butiá/RS e cidade corre risco de racionamento

Seca provoca prejuízos na produção de leite em Butiá/RS e cidade corre risco de racionamento

26/03/2018 09:45:05 - Por: G1

Nível do único reservatório que abastece a cidade baixou seis metros neste verão.

Responsive image

A seca que atinge o Rio Grande do Sul fez com que 32 municípios do estado decretassem situação de emergência. Um deles é Butiá, na Região Carbonífera, localizado a cerca de 80 quilômetros de Porto Alegre. 

A cidade registrou prejuízos no campo e teve a produção de leite afetada, além de correr risco de racionamento, se não chover forte nos próximos dias. A situação já é enfrentada em Bagé, que desde 5 de fevereiro tem racionamento de 12 horas por dia. 

A situação se deve ao nível da água no único reservatório que abastece Butiá, que tem pouco mais de 20 mil habitantes, e baixou seis durante o verão. 

"A produção de leite diminuiu em quase 50%, por aí, isso é péssimo. O leite já está com preço muito baixo e ainda com as baixas na produção, os produtores não conseguem sequer empatar com os custos de produção", lamenta o secretário municipal da Agricultura, Davi Antônio Corrêa. 

O decreto de situação de emergência solicitado pela Prefeitura de Butiá foi reconhecido pelo governo federal, e o município espera receber recursos para socorrer os atingidos pela seca. 

"Nós temos a promessa de um caminhão-pipa que nós já utilizamos para abastecimento no interior do município, e também a execução de poços artesianos", diz o prefeito de Butiá, Daniel Almeida. 

Além da Região Carbonífera, o Sul do estado e a Campanha são as zonas mais afetadas. A lavoura de soja é uma das mais prejudicadas. 

Por causa da falta de chuva, a soja amadureceu antes do tempo. Nas lavouras, é possível observar as plantas amareladas, e os grãos não se formaram direito. Segundo a Secretaria da Agricultura de Butiá, as perdas chegam a 60%.

O produtor rural Jardel Novatzky planejava colher 54 toneladas, mas calcula que não vai conseguir nem a metade do esperado. "No ano passado a gente conseguiu fazer uma safra cheia, girou em torno de 60 sacas por hectare, e esse ano vai ficar com 50% disso", reclama. 

A Secretaria Municipal da Agricultura e a Empresa de Assistência Técnica e Extensão Rural (Emater) fizeram os cálculos dos prejuízos. Em Butiá, o valor chega a R$ 13 milhões, mas em todo o estado as perdas para a economia por causa da seca são estimadas em mais de R$ 1 bilhão.