Home » Cadeia do Leite » Startup desenvolve sistema para melhorar bem-estar animal

Startup desenvolve sistema para melhorar bem-estar animal

27/03/2018 08:37:20 - Por: Portal DBO. Foto: Alcides Okubo Filho/Embrapa

Plataforma coleta dados de temperatura e umidade do ar para gerar índice que indica nível de estresse térmico, ventiladores são acionados automaticamente.

Responsive image

Um dos fatores que influenciam a produtividade, o estresse térmico pode ser um desafio no dia a dia das fazendas, principalmente em países tropicais como o Brasil. Pensando em minimizar esse problema e melhorar o bem-estar de vacas leiteiras, a startup paranaense Agroconforto desenvolveu um sistema que monitora o ambiente do barracão e aciona os ventiladores e nebulizadores quando necessário. “Pesquisas indicam que o animal pode ter perda de produtividade de até 10% quando em estresse térmico. Quanto mais calor, menos ele come e isso impacta diretamente na produção, mas ainda pode afetar também outros aspectos, como a reprodução”, afirma Juliano Valenga, um dos cinco fundadores da empresa. 

A ideia para o sistema surgiu na Hackaton 2017 da Agroleite, que a Agroconforto venceu. Filho de produtor de leite, Valenga já conhecia bem o segmento e fez a proposta para os outros membros da equipe pensando no potencial da região em que estão localizados: Castro, PR, recebeu o título de Capital Nacional do Leite em 2017. 

Para coletar os dados de temperatura e umidade do ar, a Agroconforto instala um - ou mais, dependendo do tipo e tamanho da construção - painel de sensores que faz a medição a cada 30 segundos e envia as informações para um servidor local. Isso resulta no THI (Índice de Temperatura e Umidade), que aponta se o animal está em uma zona confortável ou entrando em estresse térmico. O nível de THI para estresse térmico pode variar de acordo com as raças e objetivos do criador, mas de forma geral adota-se o patamar de 72 como limite, ou seja, acima desse valor as vacas estão em estresse térmico. Com esse cálculo feito, o servidor informa o automatizador se os ventiladores e nebulizadores do estábulo devem ser ligados (ou desligados) para regular o THI. 

Apesar de estarem trabalhando apenas com dados de temperatura e umidade no momento, Valenga afirma que o painel também pode fazer a coleta de mais informações como luminosidade, concentração de gases e velocidade e direção do vento. A plataforma ainda pode interligar outros aspectos do manejo, como a temperatura da água nos cochos, e se esses estão cheios ou não. “Nosso foco no momento é no THI, mas temos potencial para acumular o máximo de variáveis que influenciam o ambiente e o estresse térmico e interligá-las”, explica Valenga. 

O sistema automatizado também garante eficiência energética dos equipamentos de ventilação do ambiente, já que eles funcionarão apenas o necessário para que as vacas fiquem confortáveis. “Percebemos que como não tem medição dessas variáveis, os produtores acabam deixando os ventiladores ligados por mais tempo do que o necessário. Com o painel, podem ter uma redução na conta de luz. Mas não garantimos que ele vai economizar, porque se ele subutiliza antes, vai precisar aumentar isso. O que vai melhorar é a eficiência”. 

Próximos passos - Desde dezembro, a startup está com três projetos-piloto na região de Castro. Os produtores envolvidos captam de 6 a 12 mil litros/dia e usam modelos diferentes de estrutura: free stall, em que há camas individualizadas para os animais, e o compost barn - em que as áreas de descanso são comuns. “Vemos uma discussão sobre se uma ou outra é melhor, mas sem dados. Trabalhando com os dois tipos podemos fazer essa comparação e verificar se influencia de alguma forma”, diz Valenga. Uma das funções possíveis do sistema é justamente a de permitir que produtores comparem seus desempenhos, porém de forma anônima, ou seja, sem saber exatamente qual é a outra propriedade. 

Atualmente, a empresa está trabalhando nos relatórios para esses produtores, já que um dos objetivos é utilizar os dados coletados para verificar se são necessárias alterações nos barracões que melhorem o conforto das vacas. “Quando você apresenta os dados, o produtor começa a enxergar de fato onde está perdendo e como pode evoluir”. A Agroconforto ainda não definiu como será a precificação do serviço, mas Valenga garante que o valor deve ser acessível e atrativo para produtores de diversos tamanhos. A expectativa é que a versão final do produto esteja rodando até a metade do ano.