Home » Cadeia do Leite » Alta no milho traz apreensão à atividade leiteira

Alta no milho traz apreensão à atividade leiteira

19/04/2018 10:26:55 - Por: Caio Monteiro, em Boletim do Leite Cepea

Essa valorização influencia diretamente os desembolsos mensais da atividade leiteira e dificulta o fluxo de caixa das propriedades.

Responsive image
Março foi marcado pelo movimento de alta nos preços do milho e, consequentemente, pela preocupação de parte dos produtores com os custos do setor leiteiro. Comparando-se as médias de fevereiro e de março deste ano, os preços do milho subiram 19,2%, em média, nos estados de GO, MG, PR, RS, SC e SP. Essa valorização influencia diretamente os desembolsos mensais da atividade leiteira e dificulta o fluxo de caixa das propriedades. Os gastos com o concentrado podem representar até 40% dos custos operacionais efetivos das propriedades.

Na “média Brasil”, calculada pelo Cepea, que engloba BA, GO, MG, PR, RS, SC, e SP, houve piora significativa na relação de troca do leite frente ao concentrado com 22% de proteína bruta. Em março do ano passado, eram necessários 41,12 litros de leite para adquirir uma saca de 40 kg do produto e, no mesmo mês deste ano, essa relação está em 49,45 litros.

Por outro lado, com a recente recuperação no preço do leite pago ao produtor e a queda na cotação de alguns insumos, algumas relações de troca ficaram mais favoráveis ao produtor. É o caso dos detergentes, usados para limpeza e manutenção dos equipamentos de ordenha. No primeiro trimestre de 2018, houve melhora na relação de troca entre o detergente e o leite em GO, MG, SP e RS. Outro exemplo é o arame liso: em janeiro/18, eram necessários 358 litros de leite para adquirir um rolo de 1.000 metros do insumo em MG; hoje, a relação está em 320 litros.

Alimentação – Com a aproximação da entressafra, período em que há menor produtividade das pastagens na região central do Brasil, o foco da maioria das propriedades leiteiras está na alimentação e na consequente manutenção da produtividade dos rebanhos. Nesse período, produtores costumam aumentar a suplementação na dieta dos animais e iniciam o fornecimento da silagem produzida no verão. Vale ressaltar a importância da racionalidade na formulação e no fornecimento das dietas, a fim de se evitar desperdícios e perdas, reduzindo os custos de produção.