Home » Cadeia do Leite » Produtores de leite na Argentina estudam um protesto nacional

Produtores de leite na Argentina estudam um protesto nacional

12/07/2018 10:52:24 - Por: ON24, Tradução Livre www.terraviva.com.br

A falta de reajuste do preço do leite, a impossibilidade de acesso ao crédito e a desvalorização cambial são os principais problemas enfrentados pelos produtores de leite.

Responsive image
A falta de reajuste do preço do leite, a impossibilidade de acesso ao crédito e a desvalorização cambial são os principais problemas enfrentados pelos produtores de leite. Todos os temas que não têm solução serão discutidos em uma assembleia a ser realizada em Rosario. 

Hoje no Ministério da Agroindústria haverá uma reunião entre o governo, produtores e a indústria. Estará ausente o presidente Mauricio Macri que decidiu não participar talvez sabendo da assembleia organizada pela Confederação Rural Argentina (CRA) para decidir sobre os passos a serem seguidos se não houver resposta de nenhum dos lados. "Acontece que hoje o valor recebido pelo produtor pelo litro de leite está em torno de 6,5 pesos, quando, para cobrir os custos o preço deveria ser 9 pesos por litro", reconheceu a coordenadora do setor Lácteo da Confederação das Associações Rurais de Buenos Aires e do Pampa (Carbap), Andrea Passerini.

Um trabalho do Conselho Regional de Pesquisa Agrícola (CREA), destacou que em maio o índice de custo da produção de leite sofreu aumento de 7,2%. Nesse mesmo mês, La Sereníssima concedeu aumento de 4%, o que significa pagamento entre 6,20 e 6,50 pesos por litro de leite, dependendo da zona. Tudo isto antes à desvalorização cambial. Para junho já informou que pagará 0,30 a mais, ou seja 6,8 pesos por litro. A Sancor ofereceu pagar 7 pesos pelo litro de leite entregue em junho, mas, pela desconfiança gerada pela situação na qual se encontra a empresa, muitos preferem buscar outros compradores.

Fica claro, no entanto, que as empresas estão longe de pagar o que os produtores precisam. As fábricas argumentam que não existe volume suficiente para exportar, motivo pelo qual não se pode pensar em melhorar o valor ao produtor. Com um dólar mais competitivo não se entende onde está o problema. O Centro da Indústria Leiteira (CIL) não respondeu ao pedido de informação feito por esse jornal. Fontes da Agroindústria disseram "estar conscientes da difícil situação dos produtores de leite causada pela desvalorização que gerou distorções dos preços relativos, mas, confiamos na recuperação dos mesmos o mais rápido possível". Definitivamente a crise se amplia de ambos os lados. Como tudo na Argentina, o problema passa pelo preço. Se está abaixo dos custos, não existe rentabilidade possível.