Home » Cadeia do Leite » Muçarela sobe 26% e salgados podem ser os próximos a ficar mais caros

Muçarela sobe 26% e salgados podem ser os próximos a ficar mais caros

22/05/2017 10:04:30 - Por: Campo Grande News

Empresários ainda estão segurando o repasse da alta no preço dos derivados de leite aos consumidores.

Responsive image
Muçarela sobe 26% e salgados podem ser os próximos a ficar mais caros
Empresários ainda estão segurando o repasse da alta no preço dos derivados de leite aos consumidores.

A muçarela, um dos principais insumos usados em padarias e lanchonetes na fabricação de salgados, ficou 26,81% mais caro nas últimas semanas como reflexo da alta no preço da matéria-prima: o leite. O produto entrou em período de entressafra em meados de abril com a chegada do outono, reduzindo a oferta.

Para não perder clientes, empresários tentam segurar o quanto podem o repasse desse acréscimo aos clientes, embora estimem que nas próximas semanas todos os derivados devam ficar um pouco mais pesados no bolso.

Luciano Borges é dono da panificadora Empório do Pão, localizada no bairro Taveirópolis, e afirma que a peça de muçarela que antes custava R$ 13,80 subiu para R$ 17,50 o quilo quando comprada diretamente do fabricante.

“Quando chega na entressafra, a gente acaba assimilando um pouco. Eu, por exemplo, sempre tenho estoque de queijo caipira. Ano passado eu cheguei a pagar R$ 33 nele, enquanto a média do ano é R$ 12. Espero que esse ano não chegue nesse nível”, afirma o empresário.

Diante do aumento, quem usa o queijo como matéria-prima acaba entrando em um dilema. “A minha chipa, por exemplo, eu não posso subir, senão não vende”, explica.

O leite longa vida, segundo ele, teve aumento de R$ 0,40 aproximadamente, antes era encontrado por R$ 2,30 e agora chega a R$ 2,85 o mais barato, segundo ele. Já o leite de saquinho teve incremento de R$ 0,10 o tipo C e de R$ 0,20 o tipo B no estabelecimento dele.

Manoel Barbosa é gerente-geral na panificadora Tietê da Avenida Julio de Castilho. Ele afirma ter registrado aumento médio de 10% no preço de leite e derivados comprados diretamente com os fabricantes que também não foi repassado ao consumidor.

“Nós vamos precisar fazer esse repasse. O nosso impacto é em tudo, não só na venda direta, mas também nos produtos que a gente faz, como os salgados. Mussarela, queijo caipira, requeijão. Todos esses produtos já foram aumentando. Os derivados vão ter um impacto negativo na inflação”, afirma.

O estabelecimento, segundo Manoel, vai aguardar as próximas semanas para ver se haverá novos aumentos para então decidir de quanto será o acréscimo nas prateleiras.

Lourenço Aguilhera, dono da Padaria Giocondo, localizada no bairro Giocondo Orsi, também está segurando o preço dos produtos, embora tenha havido aumento na compra com os produtores e fabricantes.

“Nós seguramos porque não dá para repassar tudo de uma vez. Aguentamos geralmente uns 15 dias e avisamos o cliente que vai subir”, explica.

Aguilhera também afirma que os produtos preparados no estabelecimento, que usam leite e derivados como insumos, tendem a ficar mais caros. No caso da mussarela, ele fala em aumento de 25% no preço para o empresário.

Dados - Em março comparado a fevereiro, os valores pagos ao produtor registraram alta de 6,8%, quando foi registrado R$ 0,9404/litro fechando o mês a R$ 1,004 por litro, segundo Boletim da Bovinocultura de Leite, divulgado pela Famasul (Federação da Agricultura e Pecuária de MS).

Comparado ao mesmo período do ano passado, a alta foi ainda maior, de 8,3%, quando o valor registrado na época foi de R$ 0,9269.




hacklink child porno hacklink medyum beylikdüzü escort chip satışı zynga chip zynga chip chip satışı istanbul evden eve nakliyat sancaktepe evden eve nakliyat mersin escort astropay astropay bozum astropay bozdurma paykasa sisli escort bayan