Home » Cadeia do Leite » Aplicação de dejetos do gado de leite na fabricação de novos produtos é tema de pesquisa

Aplicação de dejetos do gado de leite na fabricação de novos produtos é tema de pesquisa

08/08/2017 08:53:06 - Por: Universidade Federal de Juiz de Fora

Utilização para a geração de produtos que podem ser revertidos especialmente em benefício das propriedades nas quais os animais são criados.

Responsive image
Verificar as possibilidades de utilização dos dejetos do gado de leite para a geração de produtos que podem ser revertidos especialmente em benefício das propriedades nas quais os animais são criados. Esse foi um dos objetivos principais da pesquisa de doutorado do acadêmico Henrique Vieira de Mendonça. A tese “Tratamento e valorização de efluentes da bovinocultura por processos biológicos” foi apresentada no Programa de Pós-Graduação em Ecologia (PGECOL), da Universidade Federal de Juiz de Fora (UFJF).

O trabalho foi dividido em duas fases. A primeira foi desenvolvida no campo experimental da Empresa Brasileira de Pesquisa Agropecuária (Embrapa) Gado de Leite, na cidade de Coronel Pacheco, Zona da Mata de Minas Gerais. Já a segunda etapa foi elaborada em Portugal, nas instalações do Laboratório Nacional de Energia e Geologia (LNEG), em Lisboa.

Os efluentes são resíduos gerados na produção. Nesse caso, foram estudados dejetos de animais, no caso fezes e urina. Por lei, esses materiais devem ser tratados antes de descartados nos cursos d’água, já que carregam uma grande quantidade de matéria orgânica. Em seu trabalho, Henrique Vieira de Mendonça utilizou os dejetos na fabricação de novos produtos.

“No Brasil, nós aproveitamos esse efluente para produzir energia elétrica, fazendo uma digestão anaeróbia (processo em que bactérias fazem decomposição da matéria orgânica). A energia foi utilizada para acionar todos os equipamentos da fazenda. Em seguida, nós usamos o efluente tratado para produzir cana de açúcar, para produzir alimento para o próprio gado”, afirma. 


Depois, já em Portugal, a produção de energia elétrica foi aprimorada com o uso de sistemas integrados (fotobiorreatores) do laboratório nacional. “Nós otimizamos a produção de energia elétrica por meio da produção de biogás (mistura de gases produzida pela decomposição da matéria orgânica). Em vez de usar o efluente na gestão anaeróbia para produzir cana, nós usamos fotobiorreatores na produção de microalgas. A partir da biomassa delas, produzimos proteína, biodiesel e carboidratos”, conta o doutorando, destacando que o uso potencial de produtos dos efluentes na produção de alimentos será investigado futuramente.

O professor orientador da tese, Jean Pierre Henry Balbaud Ometto, do Instituto Nacional de Pesquisas Espaciais (INPE) e docente associado do Programa de Pós-Graduação, considera o trabalho “bastante prático” e um “sucesso” para a temática abordada. “Os impactos ambientais desses materiais podem ser altos. Se esse dejeto todo for para um ribeirão, pode poluir o local de maneira dramática. A proposta deste trabalho foi não só a remoção desses resíduos, mas também a fabricação de produtos como adubo e biogás, a partir do tratamento”, conclui.