Home » Cadeia do Leite » Sindilat defende oferta de lácteos ao México

Sindilat defende oferta de lácteos ao México

08/08/2017 09:10:14 - Por: Correio do Povo

A renegociação do acordo comercial entre o Brasil e o México deve incluir lácteos brasileiros leite em pó, outros leites, cremes de leite, concentrados e adocicados.

Responsive image
A renegociação do acordo comercial entre o Brasil e o México deve incluir lácteos brasileiros (leite em pó, outros leites, cremes de leite, concentrados e adocicados) entre os produtos agrícolas prioritários para a exportação àquele país. A informação é da Secretaria de Relações Internacionais do Agronegócio, do Ministério da Agricultura, que está em tratativas com o governo mexicano. 

A abertura desse mercado é reivindicada pelo Sindicato da Indústria de Laticínios e Produtos Derivados do Estado (Sindilat), já que o Brasil importa mais lácteos do que exporta. No primeiro semestre de 2017, 21,6 milhões de quilos de leite UHT, leite em pó e queijos foram vendidos ao exterior, enquanto o Brasil comprou 98,6 milhões de quilos. Para o presidente do Sindilat Alexandre Guerra, a alta oferta de lácteos no mercado interno provoca queda dos preços. "Já que o governo diz que não tem como bloquear a entrada dos produtos argentinos e uruguaios, temos que buscar um novo destino para os nossos produtos", ressalta. 

Guerra explica que o mercado mexicano é estratégico porque consome grandes volumes. Também observa que o setor tem que aproveitar a renegociação em andamento para cobrar a efetiva abertura daquele mercado. "Não adianta só colocar o leite na lista de prioridade, o governo tem que fazer acontecer", cobra. O analista de Comércio Exterior da Secretaria de Relações Internacionais do Agronegócio, André Ponzo, avisa que os mexicanos ainda não assumiram nenhum compromisso com a proposta. Guerra argumenta que, nos últimos anos, as empresas brasileiras gastaram mais com a compra de produtos mexicanos do que faturaram com vendas para o país norte-americano. 

Dados do Ministério da Indústria, Comércio Exterior e Serviços confirmam isso. De 2012 a 2016, o saldo acumulado da balança comercial entre os dois países é favorável ao México, com uma diferença de 5,5 bilhões de dólares. No período, o Brasil faturou 21,5 bilhões de dólares com a exportação e desembolsou R$ 27 bilhões dólares com as importações. Guerra também se disse apreensivo com declarações do ministro da Agricultura, Blairo Maggi, que é favorável a facilitar a importação de produtos dos diversos continentes.