Home » Cadeia do Leite » Robôs para alimentar vacas? Movimento de resistência cria Pacto pela Pastagem

Robôs para alimentar vacas? Movimento de resistência cria Pacto pela Pastagem

14/09/2017 09:31:32 - Por: Gazeta do Povo. Foto: Damien Meyer/AFP

Sistema é popular na Europa, onde há maior escassez de mão de obra.

Responsive image
Uma pesquisa de três anos com sistemas de produção de leite em seis países da União Europeia apontou os prós e contras, do ponto de vista econômico e ambiental, de deixar a ordenha e a alimentação das vacas por conta de robôs. No início do estudo, em 2013, mais de 10 mil produtores europeus já utilizavam um ou mais sistemas automatizados nas propriedades leiteiras.

A conclusão do Projeto Autograssmilk foi de que a opção mais vantajosa é integrar a alimentação provida por robôs (silagem e feno) com a pastagem ao ar livre. Os argumentos científicos desmistificam o falso dilema de que os pecuaristas deveriam escolher entre um ou outro sistema.

Do ponto de vista econômico, o estudo comprovou que a redução da mão de obra proporcionada pelo uso de robôs não se perde quando a pastagem é reintroduzida. Um experimento levado a campo na Irlanda revelou que o sistema integrado manteve uma economia de 36% com mão de obra. Por ter um custo menor, cada tonelada de pastagem aumentou o lucro líquido dos produtores irlandeses em 267 euros por hectare (quase mil reais). Ainda que os custos variem conforme o país, na Holanda, por exemplo, a alimentação a pasto é 10 centavos de euro mais barata por quilo de matéria seca do que a silagem.
Pacto pela Pastagem

Por outro lado, diz a pesquisa da Comissão Europeia, na Dinamarca os consumidores de lácteos se dispõem a pagar mais caro pelo leite de vacas criadas em sistema que inclui a alimentação a pasto. Esse comportamento reflete a importância que o consumidor europeu, em geral, dá ao bem-estar animal e às atividades econômicas feitas com maior sustentabilidade. Na Holanda, o cenário de vacas leiteiras pastando é um símbolo nacional e a diminuição dessas áreas, devido ao confinamento, levou à criação do Convenant Weidegang (Pacto pela Pastagem). A iniciativa, que reúne 66 instituições da área de lácteos, propõe que pelo menos se mantenha o nível atual de fazendas leiteiras com pasto (em 82% em 2012).

No caso do sistema integrado - robô e pasto -, diz o estudo, o produtor continua com mais tempo disponível para a família e outras atividades, enquanto as vacas gozam do benefício do comportamento natural, liberdade de movimentos, exercícios e exposição direta ao sol e ao ar fresco. Tudo isso acaba se traduzindo em uma percepção mais positiva por parte do consumidor, tanto em relação à saúde das vacas como à qualidade do leite. “A sustentabilidade é um parâmetro crítico para todos os sistemas futuros de criação animal”, diz a coordenadora do projeto, Bernadette O’Brian, do centro de inovação Teagasc, na Irlanda.

Segundo O’Brien, 50% das novas instalações leiteiras na Europa são automatizadas. Os pesquisadores do projeto Autograssmilk desenvolveram uma ferramenta batizada de Grasshopper (gafanhoto), que controla eletronicamente a distribuição das vacas pelos lotes de pastagens, direcionando os animais para onde a “grama” está mais alta e em quantidade suficiente. Na medida em que as vacas se movem de uma parcela para outra, atraídas pelo pasto novo, elas passam por um portão automatizado. O computador lê as informações que cada animal leva em um chip e decide se está na hora de fazer a ordenha, oferecer silagem ou deixá-lo mais tempo ao ar livre.

No Brasil, ainda não há notícia da introdução de robôs dedicados exclusivamente à alimentação das vacas. Segundo Altair Valotto, veterinário superintendente da Associação Paranaense dos Criadores de Bovinos da Raça Holandesa (APCBRH), o que vem se popularizando é o uso das ordenhadeiras automatizadas. Nesse sistema, a vaca se dirige sozinha à sala de ordenha onde um robô usa sensores de raio laser para colocar as teteiras. Enquanto a ordenha acontece, o maquinário oferece a cada vaca a quantidade certa de ração (conforme estatísticas individuais de produtividade), faz a higienização do úbere, controla a temperatura ambiente, comanda a limpeza do piso e direciona o leite para o tanque de resfriamento.