Home » Cadeia do Leite » Fapemig aguarda até 16 de outubro os projetos de pesquisa para o setor

Fapemig aguarda até 16 de outubro os projetos de pesquisa para o setor

19/09/2017 10:18:23 - Por: Diário do Comércio

A chamada pública 08/2017, Queijo Artesanal: Tecnologias para o seu Aprimoramento, já está aberta.

Responsive image
Termina no próximo dia 16 de outubro o prazo para os interessados enviarem seus projetos de pesquisa à Fundação de Amparo à Pesquisa do Estado de Minas Gerais (Fapemig), com o propósito de contribuir para a sustentabilidade e a melhoria do Queijo Minas Artesanal, considerado patrimônio do Estado.

A chamada pública 08/2017, Queijo Artesanal: Tecnologias para o seu Aprimoramento, já está aberta. Ao todo, R$ 1 milhão serão destinados às propostas aprovadas. “Existem várias questões que precisam ser estudadas para ter um padrão de qualidade que respeite as características do queijo. Isso é muito importante, que existam padrões. A padronização permitirá a abertura para novos mercados”, acredita o diretor de Ciência, Tecnologia e Inovação da Fapemig, professor Paulo Sérgio Lacerda Beirão.

As propostas de investigação podem relacionar-se a diferentes linhas temáticas: qualidade do leite para produção do queijo artesanal; processos de higienização; condições de acondicionamento, armazenamento, transporte e comercialização; entre outras. No entanto, o professor Beirão alerta para um ponto importante: as propostas devem ter resultados úteis e aplicáveis.

“Essa chamada tem uma característica que difere das demais. Ela exige, como parte do projeto, que os pesquisadores coloquem os mecanismos desenvolvidos a serviço da produção, como algo útil e aplicável. Tem que impactar na qualidade e aprimoramento do queijo”, enfatiza o Paulo Beirão. “Essa é uma oportunidade de agregar toda nossa competência, desde a área de produção do leite até a garantia de qualidade para lidar com o gado leiteiro”, acrescenta o professor.

Mercados - A oportunidade de posicionar o Queijo Minas Artesanal no mercado nacional e internacional é outro ponto destacado pelo professor Beirão. Para ele, as pesquisas podem fazer com que a iguaria mineira mude de patamar na vitrine mundial.

“O queijo mineiro teve um reconhecimento internacional recente, o que abriu oportunidades para mudarmos de patamar na qualidade do queijo e também para abrir novos negócios. Para isso, precisamos gerar conhecimento”, salienta o diretor da Fapemig.

Em junho deste ano, apesar de a legislação não permitir a comercialização do produto no exterior, 12 queijos produzidos no Estado foram premiados no Mondial du Fromage de Tours (Salão Mundial do Queijo), realizado na França. Participaram mais de 600 produtos de 32 países. As pesquisas devem contribuir para subsidiar e atualizar novas leis relativas ao Queijo Minas Artesanal, visando à abertura de mercado não apenas no Brasil, mas no mundo.Com informações da Agência Minas.