Home » Cadeia do Leite » Mexicana Lala finaliza venda de 50% da Itambé para a mineira CCPR

Mexicana Lala finaliza venda de 50% da Itambé para a mineira CCPR

05/12/2017 10:09:54 - Por: Valor Econômico

A CCPR, que voltará a ter o controle da Itambé com a recompra dos 50% que eram da Vigor e foram vendidos à Lala, não respondeu à reportagem.

Responsive image
A Lala, maior empresa de lácteos do México, informou ontem que finalizou a venda de 50% da Itambé à Cooperativa Central dos Produtores Rurais de Minas Gerais Ltda (CCPR). A CCPR tinha o direito de preferência para recomprar de sua sócia Vigor Alimentos a fatia de 50% na Itambé, e anunciou que o faria em setembro, após a venda da Vigor, empresa controlada pela J&F, à Lala.

No comunicado de ontem, a Lala reafirmou que a CCPR exerceu o direito de preferência para adquirir os 50% das ações da Itambé que pertenciam à Vigor por um "valor implícito" de R$ 700 milhões. Assim, segundo a Lala, sem a Itambé a aquisição de 99,9% das ações de Vigor teve valor implícito líquido de R$ 4,325 milhões. Inicialmente, o valor total da transação, que incluía até 100% da Itambé, era de R$ 5,725 bilhões.

Numa tentativa de mostrar que a compra da Vigor é um bom negócio mesmo sem a Itambé, a Lala destacou, no comunicado, que tem interesse "no segmento de lácteos de valor agregado, no qual a Vigor conta com marcas amplamente reconhecidas", tais como Vigor, Danubio, e Faixa Azul. Além disso, afirmou que a Vigor tem uma infraestrutura consolidada, com mais de 3.900 empregados, nove plantas e atende a mais de 47 mil pontos de venda no Brasil.

A Lala informou, ainda, que a Vigor reportou vendas líquidas e Ebitda de R$ 2,295 bilhões e R$ 123 milhões, respectivamente, em 2016. Para 2017, são estimadas vendas líquidas de R$ 2,407 bilhões e um Ebitda de R$ 190 milhões, com margem de 7,9%, de acordo com a empresa.

A CCPR, que voltará a ter o controle da Itambé com a recompra dos 50% que eram da Vigor e foram vendidos à Lala, não respondeu à reportagem.

Desde que a CCPR anunciou que faria a recompra da participação que havia vendido à Vigor, em 2013, por R$ 410 milhões, surgiram dúvidas no mercado de lácteos sobre como a central financiaria a transação. Inicialmente, o Banco do Brasil estava liderando um pool de bancos para o negócio, mas saiu da operação por conta do tempo exíguo para concretizá-lo.

No dia 27 de novembro, a Companhia de Desenvolvimento Econômico de Minas Gerais (Codemig) sinalizou que irá garantir a recompra pela CCPR. A empresa publicou ata de reunião de acionistas, realizada em 20 de setembro, na qual o conselho de administração da empresa de desenvolvimento autorizou um aporte de R$ 587,025 milhões, por meio da Codemig Participações (Codepar), para auxiliar a CCPR na recompra dos 50% da Itambé.

Conforme a ata da assembleia, que deliberou sobre o auxílio à CCPR, a Codepar "fica autorizada a aportar o valor de R$ 587,025 milhões, seja através da aquisição das ações da Itambé ou através da celebração de instrumentos financeiros de dívida com a CCPR". Na ocasião, a Codemig informou ao Valor "que faz parte de um grupo de financiadores e investidores que está avaliando o investimento junto à CCPR, dentre eles gestores de recursos, bancos e outras empresas".




hacklink child porno hacklink medyum beylikdüzü escort chip satışı zynga chip zynga chip chip satışı istanbul evden eve nakliyat sancaktepe evden eve nakliyat mersin escort astropay astropay bozum astropay bozdurma paykasa