Home » Cadeia do Leite » Expectativa de recuperação do preço do leite dá esperança ao produtor

Expectativa de recuperação do preço do leite dá esperança ao produtor

08/03/2018 10:30:18 - Por: Gisele Loeblein, Campo Aberto em Zero Hora

Especialista projeta recomposição de valores no primeiro semestre.

Responsive image
Depois de um 2017 em crise, em que o recuo no preço deixou o produtor de leite sob maus lençóis, a perspectiva de recuperação em 2018 soa como música aos ouvidos. Mas para que ocorra de fato, é preciso que a retomada do consumo se concretize.

– A demanda será um aspecto importante – ressaltou Marcelo Carvalho, CEO da Agripoint, durante o 14º Fórum Estadual de Leite, realizado nesta quarta-feira na Expodireto-Cotrijal.

Especialista projeta cenário de recomposição de valores no primeiro semestre. Para o segundo, o quadro é mais incerto – em razão de fatores como a eleição –, devendo haver estabilização do preço, seguida de posterior ajuste para baixo.

Três fatores pesaram para a crise de 2017. O primeiro foi a oferta elevada no mercado interno, reflexo da valorização do produto no ano anterior (o preço de agosto de 2016 foi o maior em 15 anos). Somou-se a isso a crise econômica, que reduziu o poder de compra, e as sobras das importações.

– Nosso problema estava na redução de consumo e no baixo valor do leite importado – reforçou Alexandre Guerra, presidente do Sindicato da Indústria de Laticínios e Produtos Derivados (Sindilat-RS).

A aposta na melhora de preços neste ano também está embasada na previsão de oferta menor e redução nas importações nos primeiros seis meses do ano. Na perspectiva traçada por Carvalho, a média anual do litro de leite poderá ter reação de 4,2% em relação ao ano passado. 

O presidente do Sindilat afirma que já há sinais de retomada. O leite UHT deve fechar março com alta de 10% sobre fevereiro.

Para não ficar refém das oscilações do mercado, o produtor precisa se profissionalizar, ensinou Wagner Beskow, doutor, pesquisador e sócio-diretor da Transpondo Consultoria:

– A saída é essa. E a profissionalização passa por tecnificação e gestão. O produtor precisa tomar as rédeas.