Home » Cadeia do Leite » Comer queijo não eleva o risco de doenças cardíacas, diz estudo

Comer queijo não eleva o risco de doenças cardíacas, diz estudo

11/05/2017 10:28:04 - Por: Super Interessante

Pelo contrário: o uso moderado de gorduras que vêm do leite pode, quem diria, fazer bem ao coração.

Responsive image
Você sabe que manter uma dieta repleta de coisas gordurosas não é lá a melhor forma de cuidar do coração. Mas isso não precisa ser motivo para evitar todo tipo de gordura que vê pela frente – especialmente o que vem dos queijos e derivados do leite. Ao analisar a influência desses produtos em nosso bem-estar, cientistas da Universidade de Reading, na Inglaterra, concluíram que seu consumo não está ligado ao aumento no risco de doenças cardíacas.

A afirmação vem amparada por 29 estudos anteriores, consultados pelos pesquisadores ingleses. Essas pesquisas forneceram dados de mais de 930 mil pessoas – e 93 mil mortes. Elas analisaram a incidência de doenças cardiovasculares, doenças coronárias e óbitos em grupos de pessoas que ingeriam queijos e outros laticínios, comparada às taxas das mesmas doenças em quem cortou esses alimentos da dieta.

Nenhuma ligação entre o consumo dos laticínios e o risco de ter problemas no coração foi observada, de acordo com os cientistas. Outra análise, que considerou exclusivamente o uso de produtos fermentados, concluiu que o consumo moderado de queijo pode, na verdade, até diminuir o risco de problemas cardiovasculares. A ocorrência desse tipo de doença foi 2% menor em que consumia cerca de 10g de gordura de laticínios por dia. Isso corresponde, mais ou menos, à quantidade de gordura que 50g de um queijo minas frescal possui, de acordo com a Unicamp.

Para os pesquisadores, o segredo está na moderação. Portanto, um consumo normal de derivados do leite, terá um impacto “neutro” em nosso bem-estar. “Há uma ampla crença de que os derivados do leite, em geral, podem fazer mal, mas isso é um equívoco. Apesar de ser algo muito difundido, nosso estudo prova que é errado”, diz Ian Givens, um dos autores da pesquisa, em entrevista ao The Guardian. “O número de participantes, em especial, é capaz de nos fornecer um panorama bastante completo da associação neutra entre os laticínios e o risco de doenças do coração”, completa outra co-autora, Jing Guo.

De acordo com cientistas da Universidade de Harvard, o queijo tem papel histórico de vilão por conta do bom trabalho de possíveis substitutos: as fontes não-animais de gordura, que são mais amigas do coração. Nesse sentido, os pesquisadores encontraram números bastante interessantes. Se trocássemos as calorias de toda a gordura de derivados do leite pela encontrada nos vegetais, por exemplo, o risco de doenças cardiovasculares cairia, em até 10%. A queda é ainda maior se as calorias vierem de gorduras poliinsaturadas. Se tivermos como fonte de gordura apenas produtos mais naturebas como nozes e sementes de abóbora, a diminuição do risco poderia ser de até 24%.

Mas existe um grande problema: a troca exigiram uma quantidade fenomenal de comida “vegan”. As porções de vegetais deveriam ser muito maiores, para que a conta fechasse e a substituição compensasse as necessidades do corpo. A efeito de comparação, para absorver a mesma gordura fornecida por um copo de leite de cabra, precisaríamos comer cerca de um quilo de repolho roxo refogado. Haja linhaça para a troca valer a pena.




rize escort izmit escort sakarya escort kusadasi escort eskisehir escort yalova escort konya escort hacklink child porno hacklink medyum beylikdüzü escort chip satışı zynga chip zynga chip chip satışı istanbul evden eve nakliyat sancaktepe evden eve nakliyat