Home » Cadeia do Leite » Tendência é de estabilidade nos preços

Tendência é de estabilidade nos preços

05/06/2017 08:55:44 - Por: Diário do Comércio

De acordo com o economista e pesquisador da Embrapa Gado de Leite, os valores atuais estão em níveis que geram margem para os produtores.

Responsive image
Mesmo em período de entressafra, a tendência para os próximos meses é de estabilidade ou pequeno recuo nos preços do leite. De acordo com o economista e pesquisador da Empresa Brasileira de Pesquisa Agropecuária, unidade Gado de Leite (Embrapa Gado de Leite), Glauco Carvalho, os valores atuais estão em níveis que geram margem para os produtores. O preço médio estimado pela Embrapa, em Minas Gerais, está em torno de R$ 1,4 por litro, e os custos, dependendo do aparato tecnológico, da gestão e da eficiência, variando entre R$ 1,10 e R$ 1,20.

“Os preços já chegaram a um patamar próprio da entressafra e, por isso, o cenário não permitirá novas altas. Este ano, a relação entre custos e preços recebidos e o clima estão favoráveis para o pecuarista. Além disso, é período de safra no Sul do País e a tendência é de aumento da oferta. Outro fator que vai segurar os preços do leite é o consumo ainda fraco em função do maior comprometimento da renda da população e do aumento do desemprego, o que tem inibido o repasse da valorização da matéria¬prima para o consumidor final e estreitado a margem de lucro da indústria”, disse Carvalho.

Mesmo com os preços garantindo margem de lucro para os produtores, a tendência é que a produção não cresça significativamente em 2017. Nos últimos dois anos, como os preços baixos praticados e os insumos elevados, o rebanho leiteiro do Estado foi reduzido, o que limita a capacidade de ampliar a produção.

“Como os preços ficaram muito abaixo dos custos, houve muito abate de matrizes leiteiras e produtores, com menor nível de tecnologia, colocando touros de corte no rebanho de leite, porque os preços do boi gordo estavam bons. Como isto reflete na estrutura do rebanho, não vemos espaço para grandes aumentos na oferta, e sim de recuperação, podendo chegar de 3% a 4%”.

A indicação do pesquisador da Embrapa é de que os produtores aproveitem o cenário favorável para planejar e fazer os investimentos necessários. “A agricultura é cíclica, com momentos bons e ruins, e o produtor precisa estar preparado para momentos adversos. Ele precisa ter uma gestão eficiente e acompanhar todas as despesas, ter noção dentro da propriedade e do mercado”, disse Carvalho.