Home » Cadeia do Leite » Quatro mil vacas em 60 voos: empresário quer manter reservas de leite no Qatar

Quatro mil vacas em 60 voos: empresário quer manter reservas de leite no Qatar

14/06/2017 09:58:08 - Por: Público-PT

Depois do corte de relações diplomáticas de cinco Estados sunitas com o Qatar, o país tem tido problemas no fornecimento de bens essenciais, incluindo o leite fresco.

Responsive image
A crise diplomática entre o Qatar e alguns dos seus vizinhos sunitas ameaçou o normal funcionamento das várias instâncias do país e o fornecimento de bens essenciais. Esta situação levou um empresário do Qatar a organizar um transporte aéreo de quatro mil vacas para o país, de forma a preservar as reservas de leite fresco no emirado que sofreram um colapso nos últimos dias.

Moutaz Al Khayyat é o homem responsável pela iniciativa que pretende assegurar o fornecimento de leite fresco. O presidente da Power International Holding comprou as vacas leiteiras na Austrália e nos Estados Unidos para agora as poder transportar para o seu país.

“Esta é a hora de trabalhar para o Qatar”, disse Al Khayyat, citado pela Bloomberg. O transporte destes animais de grande porte será feito em 60 voos da Qatar Airways, conta o empresário sobre aquele que será o maior transporte de bovinos alguma vez realizado.

Grande parte do fornecimento de leite fresco no Qatar era proveniente da Arábia Saudita, até a uma semana ter desencadeado uma nova crise diplomática no Médio Oriente. O corte na diplomacia significou também um corte nos transportes de mercadorias, incluindo ligações aéreas e marítimas.

A mais recente crise no Médio Oriente surgiu quando, na semana passada, cinco Estados sunitas cortaram relações com o Qatar – Bahrein, Egito, Arábia Saudita, Iémen e Emirados Árabes Unidos –, acusando este país do Golfo Pérsico de estar demasiado próximo do Irão e de patrocinar o terrorismo, ainda que todas as acusações sejam negadas pelo Qatar.

O empresário, que detém um negócio ligado à construção, tem alargado as suas áreas de ação, apostando agora na vertente agrícola. “Ninguém no seu quotidiano sente a crise”, afirmou Al Khayyat. “O Governo está a trabalhar arduamente para assegurar que não há efeitos paras as pessoas”, concluiu.

O corte por parte da Arábia Saudita da única fronteira terrestre com o Qatar também está a afetar as preparações do Mundial de 2022 que o país está a organizar, uma vez que a importação de matérias-primas necessárias às infra-estruturas – como estádios e a rede de metropolitano – não estão a chegar ao Qatar.

A Turquia tem assegurado alguns produtos essenciais que têm desaparecido rapidamente das prateleiras dos supermercados, enquanto Marrocos e o Irão também se comprometeram a repor alimentos no emirado. Além disso, o Qatar fez acordos com Omã para poder usar alguns dos seus portos, evitando assim ter de passar pelos dos Emirados Árabes Unidos.