Home » Cadeia do Leite » Queijo Minas Artesanal: ALMG votará PL que cria fundo indenizatório

Queijo Minas Artesanal: ALMG votará PL que cria fundo indenizatório

02/08/2017 09:31:24 - Por: Diário do Comércio

O fundo é importante porque os mecanismos internacionais já estão definindo prazo para diminuir a vacina contra a aftosa e, ao final, declarar as áreas livres sem vacinação.

Responsive image

Mais um passo foi dado para a criação do Fundo de Defesa Sanitária de Minas Gerais. Na abertura do Primeiro Festival do Queijo Minas Artesanal o governador do Estado, Fernando Pimentel, encaminhou à Assembleia Legislativa de Minas Gerais (ALMG) o projeto de lei para a criação do fundo indenizatório de apoio ao sistema de emergência sanitária animal. Demanda antiga do setor, o fundo é considerado essencial para que o Estado avance e conquiste o status de área livre de aftosa sem vacinação e para o controle e erradicação de outras doenças, como a brucelose e a tuberculose, por exemplo.

“A gente espera que a ALMG dê andamento ao projeto, porque precisamos da lei que permita a criação do fundo de defesa. O fundo é importante porque os mecanismos internacionais já estão definindo prazo para diminuir a vacina contra a aftosa e, ao final, declarar as áreas livres sem vacinação. É uma questão fundamental, se Minas Gerais não tiver o fundo não tem como fazer parte do processo de modernização”, explicou o presidente da Federação da Agricultura e Pecuária do Estado de Minas Gerais (Faemg), Roberto Simões.

Ainda segundo Simões, o fundo privado permitirá que, em casos de registros de aftosa ou outras doenças graves, as decisões sejam tomadas rapidamente, garantindo o controle. Parte dos recursos também poderá ser usada para a erradicação de outras doenças como brucelose e a tuberculose, por exemplo.

“Então todo processo pecuário se beneficiará muito do fundo de defesa. A maioria dos estados já possui o fundo e muitos dos maiores produtores estão em constituição. Precisamos nos apetrechar para enfrentar os caminhos de modernização”, disse Simões.