Receita das maiores empresas de lácteos do mundo subiu 7,2% em 2017 Receita das maiores empresas de lácteos do mundo subiu 7,2% em 2017

26-07-2018 09:03:58 - Por: Valor Econômico

Após aquisições, francesa Lactalis passou a ocupar o segundo lugar no ranking das 20 maiores, atrás da Nestlé e à frente da Danone.

Receita das maiores empresas de lácteos do mundo subiu 7,2% em 2017
O faturamento combinado das 20 maiores empresas de lácteos do mundo avançou 7,2% em dólar no último ano, segundo o levantamento "Global Dairy Top 20", divulgado ontem pelo banco holandês Rabobank. O estudo mostrou ainda uma mudança no segundo lugar da lista das 20 maiores do segmento, que passou a ser ocupado pela francesa Lactalis. Além disso, de acordo com o Rabobank, as operações de fusões e aquisições em lácteos no mundo cresceram de forma expressiva em 2017. 

O primeiro lugar no ranking do Rabobank continua com a suíça Nestlé, que teve receita de US$ 24,2 bilhões em 2017. Mas a segunda na lista passou a ser a Lactalis, com faturamento de US$ 19,9 bilhões. A empresa tomou o posto da também francesa Danone, que fechou o ano passado com receita de US$ 17,6 bilhões. O levantamento ressalta que a apesar de a Nestlé seguir "reinando" no ranking, a diferença entre ela e a segunda colocada se estreitou. A Lactalis subiu para o segundo lugar impulsionada pelas aquisições dos negócios de iogurte das americanas Stonyfield e Siggi. Já a Danone, perdeu a posição depois de desinvestir na Stonyfield após a compra da fabricante de alimentos orgânicos WhiteWave, de reduzir sua fatia na Yakult e de vender participação na Al Safi Danone, joint venture na Arábia Saudita. Além disso, na Índia, a Danone decidiu focar em produtos de nutrição e vendeu sua fábrica de lácteos a um player local.
A cooperativa Fonterra, da Nova Zelândia, subiu para o quinto lugar no ranking da "Global Dairy Top 20", ligeiramente à frente da holandesa FrieslandCampina, que caiu para a sexta colocação. A escandinava Arla Foods permaneceu em sétimo, apesar da aquisição da joint venture com a SanCor e da nova sociedade com a Indofood.

De acordo com levantamento, a recuperação dos preços dos lácteos em 2017 permitiu o crescimento do faturamento combinado das 20 maiores de lácteos no mundo. E as operações de fusões a aquisições no setor cresceram estimuladas pela disponibilidade de capital barato, como também ocorreu em outras áreas.

Contudo, destaca o banco, os "meganegócios" concretizados em 2017 - Danone/WhiteWave e Saputo/Murray Goulburn - tiveram impacto limitado no ranking do "Global Dairy Top 20".

Como resultado, afirma o relatório, não há novos entrantes na lista das 20 maiores de lácteos pelo segundo ano consecutivo, o que indica dificuldade de romper o limite de US$ 5 bilhões (valor do faturamento da vigésima colocada na lista).

Houve 127 negócios de fusões e aquisições no setor de lácteos no mundo em 2017, conforme o levantamento, ante 81 transações em 2016. Até a metade deste ano, segundo o Rabobank, o número de negócios no segmento está em 62, com quase metade ocorrendo na Europa.

Em 2017, diz o banco, o valor das transações ficou abaixo do ano anterior devido ao menor número de grandes operações. Além disso, alguns dos maiores negócios no setor não incluíram empresas que fazem parte do Global Dairy Top 20, como a aquisição da brasileira Vigor pela mexicana Lala. A aquisição da Itambé pela Lactalis, que está entre as maiores, está sub judice.

O banco prevê que nas próximas décadas o mercado global de lácteos vai crescer ao menos 30% em volume e valor, como resultado do crescimento populacional, do aumento da renda e da urbanização. A avaliação é que o crescimento orgânico e as aquisições vão direcionar esse avanço.