Danos causados por pragas e seus impactos para a produção leiteira da Nova Zelândia Danos causados por pragas e seus impactos para a produção leiteira da Nova Zelândia

23-10-2018 09:00:29 - Por: Dairy Reporter, traduzidas e adaptadas pela Equipe MilkPoint

Os produtores de leite da Ilha Norte relataram perdas substanciais de produtividade devido ao gorgulho.

Danos causados por pragas e seus impactos para a produção leiteira da Nova Zelândia
Pragas de pastagens comuns custam à economia da Nova Zelândia bilhões de dólares por ano, embora muitos produtores de leite nem percebam a dimensão do problema. Essa falta de conscientização estimulou os cientistas da AgResearch a investigarem os danos causados por invertebrados, como a lagarta do pasto, o besouro preto, entre outros, em termos de perda de produtividade para a produção a pasto.

“Como entomologistas, estamos cientes de que as pragas das pastagens vêm causando muitos problemas aos nossos produtores. Mas tem sido muito difícil convencer provedores de financiamento e - até mesmo - os próprios produtores, a fazer algo sobre este tema”, disse Colin Ferguson, pesquisador do Instituto Nacional de Pesquisa Agrícola. Para que isso se tornasse possível, Ferguson e seus colegas buscaram um meio para convencê-los.

Os pesquisadores decidiram que a melhor maneira de correr atrás disso seria colocar um valor em dólar na escala de danos que os insetos causavam, ou, o custo em termos de perda de produção pelos quais eles são responsáveis. Usando essa abordagem, eles conseguiram fundos de organizações como a DairyNZ, a Dairy Companies Association da Nova Zelândia e a Fonterra, bem como vários órgãos governamentais e de carne bovina. A pesquisa, chamada de "Quantificando o custo econômico de pragas de invertebrados para a indústria pastoril da Nova Zelândia", foi publicada no mês passado no New Zealand Journal of Agricultural Research.

O estudo apontou que os custos nacionais são de até NZ$ 2,3 bilhões (US$ 1,5 bilhão) para o controle das pragas a pasto em um ano médio, do qual estima-se que NZ$ 1,4 bilhão (US$ 921,10 milhões) seja em fazendas leiteiras. "Nós fomos atrás de várias pesquisas realizadas nos últimos 20 ou 30 anos para chegar a alguns dados e concluímos que o impacto - apenas da lagarta do pasto - por exemplo, custa às fazendas leiteiras até NZ$ 380 milhões (US$ 250 milhões)/ano”,  disse Ferguson. 

Os agricultores geralmente concordam que a lagarta é a praga mais séria. Ela causa danos quando suas larvas se alimentam de raízes de plantas, criando manchas amareladas no pasto. Outra praga, chamada de gorgulho da raiz do trevo, pode reduzir a quantidade de nitrogênio fornecido pelo trevo, que também é um alimento de alta qualidade para o gado, como parte da cadeia alimentar. Os produtores de leite da Ilha Norte relataram perdas substanciais de produtividade devido ao gorgulho, com reduções na fixação de nitrogênio pelo trevo de 50-100%. Para compensar esse dano, os agricultores devem comprar maiores quantidades de fertilizante de nitrogênio. 

O estudo da AgResearch, no entanto, usou reduções na produção de pastagens para estimar o impacto sobre a receita de produção de leite para fazendas leiteiras, bem como sobre a receita de produção de carne em fazendas de ovinos e bovinos de corte. Esta abordagem, diz o relatório, fornece uma boa imagem dos desafios financeiros que os produtores enfrentam com pragas de pastagens e reforça a necessidade de investir em maneiras novas e econômicas de controlá-las melhor.

Para isso, a AgResearch tem procurado o controle de pragas em várias frentes, incluindo o desenvolvimento de novos biopesticidas - organismos que podem ser usados para atacar espécies de pragas específicas, em vez de tratamentos químicos que podem ser caros e têm impactos indesejados no meio ambiente. Os cientistas dizem que esta pesquisa vem progredindo muito bem e dando bons resultados.

"Há uma necessidade real de biopesticidas no momento. Muitos de nossos produtores dependem de inseticidas organofosforados e há muita pressão dos reguladores, consumidores e produtores para que diminuam, se não eliminem, seu uso, deixando uma lacuna no mercado”, disse Ferguson, que passou anos pesquisando os compostos.

David Burger, líder em estratégia e investimentos da DairyNZ, que representa produtores de leite, diz que tem sido difícil avaliar a escala dos danos causados por pragas de pastagens em propriedades agrícolas. “Os produtores de leite sabem que as pragas de invertebrados significam menos pasto para os animais, e as pastagens exigem renovação com mais frequência, o que lhes custa tempo e dinheiro. Pragas de pasto também tornam as pastagens menos resilientes e abertas a outros impactos. A maioria dos produtores de leite está ciente das pragas específicas que afetam sua região e comprarão sementes tratadas para gerenciá-las. Infelizmente, o impacto geral de pragas de pastagens é difícil de quantificar no nível da fazenda”, disse ele. 

A DairyNZ tem investido em pesquisas para identificar variedades mais resistentes de banana-da-terra e trevos. Por exemplo, patrocinou o trabalho da AgResearch na introdução de um agente de biocontrole para o gorgulho da raiz do trevo na forma de uma pequena vespa parasita. Ela injeta um ovo em gorgulhos adultos para torná-los improdutivos. A pesquisa mostrou sucesso. Agora a vespa está presente na maioria das áreas da Ilha do Norte e do Sul, e reduziu as populações de gorgulhos em cerca de 90% em algumas áreas.

Pesquisas adicionais sobre a dinâmica populacional de agentes de biocontrole para a raiz do trevo e gorgulhos do fuste argentino irão manter ou melhorar a eficácia. “Também estão em andamento ensaios com o besouro preto e se os fungos de ocorrência natural podem ser usados como biocidas, além de identificar o pH correto do solo para os agricultores produzirem trevos, enquanto equilibram a supressão do besouro”, acrescentou Burger. "Queremos que os produtores enxerguem as perdas causadas por esse inimigo. Assim, esperamos aumentar a conscientização dos mesmos", concluiu David.