Brasil registra uma redução no número de vacas nas fazendas Brasil registra uma redução no número de vacas nas fazendas

26-10-2018 10:34:36 - Por: Nordeste Rural

Há uma retração da oferta que também se reflete na diminuição dos rebanhos.

Brasil registra uma redução no número de vacas nas fazendas
A pecuária de leite do Brasil passa por momentos de dificuldade. Internamente, na avaliação do pesquisador da Embrapa Gado de Leite Lorildo Stock, “o consumo brasileiro de produtos lácteos não promete crescimento significativo neste ano, pois não houve aumento da renda da população que justifique isso”. Há uma retração da oferta que também se reflete na diminuição dos rebanhos. A quantidade de vacas nas fazendas está diminuindo.

Segundo o pesquisador da Embrapa Glauco Carvalho, de 2014 a 2017, houve uma queda de 26% do número de vacas no rebanho nacional. “Embora a produção por vaca tenha subido 29%, demostrando que os sistemas de produção estão mais tecnificados, elevando a produtividade, menos vaca na fazenda também pode significar menos leite no tanque”, conclui o pesquisador. Abater vacas menos produtivas costuma ser uma resposta do pecuarista para reforçar o caixa em momentos de crise.

Outro motivo para essa redução na quantidade de animais leiteiros, passa também pela taxa de câmbio, que está girando em torno de R$ 4,00 por dólar, e se caracteriza como um dos fatores que pressionam os custos da produção, agravado pela alta dos combustíveis. Um estudo feito pelo Núcleo de Desenvolvimento Socioeconômico da Embrapa Gado de Leite, considerando os preços dos últimos 12 anos, verificou que o câmbio tem forte impacto nos custos de produção. “A correlação entre o custo de produção de leite e a taxa de câmbio foi de 0,84, o que indica que essas variáveis caminham juntas no tempo”, diz Carvalho, que completa: “Em outubro começou o plantio de milho para silagem; o impacto do câmbio e do petróleo, que se traduz no aumento do preço dos fertilizantes, defensivos e sementes, é preocupante”.

Outro motivo para preocupação, segundo o pesquisador, são as margens de lucro dos laticínios. “Nos mercados de leite UHT, leite em pó e muçarela, desde meados de 2016, as margens dos laticínios permanecem deprimidas, dificultando o pagamento de preços melhores ao produtor”, revela o cientista. Mas um dado positivo, que contribui para manter os preços em um patamar mais estável, é a diminuição no volume das importações. De janeiro a agosto, a importação caiu 27%: de 968 milhões de litros para 707 milhões de litros.

Entretanto, as exportações brasileiras de lácteos também caíram: de 90 milhões de litros para 39 milhões. A balança comercial brasileira de lácteos apresenta um déficit de 668 milhões de litros, representando US$ 270 milhões. Embora sejam números pequenos, diante da economia nacional como um todo, trata-se de um déficit considerável para o setor, comparado à pujança da agricultura brasileira.