Expectativas do agro enfrentarão obstáculos

21-12-2018 09:26:35 - Por: Correio do Povo

Sinalizações feitas por integrantes do governo federal eleito à cadeia produtiva rural, de mudanças nas relações com o Mercosul, não serão concretizadas com facilidade.

Responsive image
Estudiosos do comércio internacional não acreditam que as sinalizações feitas por integrantes do governo federal eleito à cadeia produtiva rural, de mudanças nas relações com o Mercosul, serão concretizadas com facilidade. Um desses casos é o do leite. Nesta semana, em reunião com a futura ministra da Agricultura, Tereza Cristina, representantes do setor pediram o estabelecimento de cotas de importação, para evitar que volumes exagerados entrem no país, e ficaram animados, por terem ouvido que o assunto não pode ser "negligenciado" e porque, em outras ocasiões, a interlocutora já defendeu a revisão do acordo com o bloco. 

O coordenador do Grupo de Pesquisa CNPq Geopolítica e Mercosul e professor da curso de Relações Internacionais da Universidade Federal de Pelotas (UFPel), Charles Pennaforte, observa que é viável estabelecer cotas e taxas, ou proibir a importação, mas adverte que isso vale para ambos os lados. Pennaforte considera que o caminho não é criar medida protecionista e "clima de rivalidade", mesmo que se saiba que o Brasil está em desvantagem na comparação dos custos de produção com os países vizinhos. Defende ainda que o caminho não é revisar o Mercosul, mas fortalecê-lo. "Se joga em cima do Mercosul toda má sorte sobre o que vem ocorrendo em termos de comércio", diz. "Mas qualquer passo a ser dado tem que ser muito bem avaliado tecnicamente, por pessoas que realmente tenham conhecimento aprofundado do assunto", sugere. 

O professor do Departamento de Economia da Unijuí, que estuda negociações comerciais multilaterais, Argemiro Brum, não acredita que a ministra tenha "tanta força e condições políticas" para proibir a importação ou estabelecer taxas. Ele sustenta que seria mais fácil para o Brasil propor alguma medida se conseguisse provar que há práticas irregulares do lado uruguaio, como dumping ou triangulação comercial. "Talvez, o melhor caminho seja uma conversa entre os dois países, mas nada acontece do dia para a noite". 

Ao mesmo tempo, o presidente da Comissão de Leite na Federação da Agricultura (Farsul), Jorge Rodrigues, afirma que o país deve tomar uma medida urgente. "O Ministério da Agricultura também é do Abastecimento e precisa tomar providências para controlar o abastecimento e a demanda interna", cobra, ao enfatizar que o produtor vive uma "situação crítica". O presidente do Sindilat, Alexandre Guerra, diz que o uso de cotas de importação geraria previsibilidade para o setor. Lembra que em outubro e novembro a entrada de lácteos, principalmente da Argentina, saltou 58% na comparação com os primeiros nove meses do ano. Também disse que este "exagero" desestabiliza a cadeia no Rio Grande do Sul, que já concorre em nível de desigualdade por conta dos preços insumos.