Um futuro sem vacina contra aftosa no Rio Grande do Sul Um futuro sem vacina contra aftosa no Rio Grande do Sul

20-05-2019 09:51:44 - Por: Sindilat

A solicitação formal já foi feita pela Secretaria da Agricultura para a segunda quinzena de julho.

Um futuro sem vacina contra aftosa no Rio Grande do Sul
O debate sobre a retirada da vacina contra a febre aftosa no Rio Grande do Sul chega hoje ao Parque de Exposições Assis Brasil, em Esteio, em meio à programação da 42ª Expoleite e 15ª Fenasul. Evento organizado pela Federação Brasileira das Associações de Criadores de Animais de Raça (Febrac) se propõe a avaliar o futuro da pecuária gaúcha em um cenário de fim da imunização. Técnicos serão ouvidos e a ideia é que a própria entidade possa ter definição sobre o tema.

Queremos agora ouvir o debate. E a partir daí, tirar uma posição - explica Leonardo Lamachia, presidente da Febrac. De um lado, estarão argumentos sobre o que o RS pode ganhar com a retirada.

É muito mais do que progredir de status sanitário. É retirar um obstáculo ao empreendedorismo - avalia Bernardo Todeschini, superintendente do Ministério da Agricultura no RS e um dos palestrantes.

Segundo ele, hoje, dos 12 maiores importadores de carne bovina do mundo, boa parte é livre da doença sem vacinação, o que pode fazer com tenham determinadas condições de ingresso em seus territórios: E disso resulta uma limitação de acesso absoluto e de acesso qualitativo.

Mais cauteloso, Luiz Alberto Pitta Pinheiro, assessor técnico da Federação da Agricultura do Estado (Farsul), pondera que a auditoria do ministério - a solicitação formal já foi feita pela Secretaria da Agricultura para a segunda quinzena de julho - é fundamental para a definição de rumos em relação ao tema no Estado.

É preciso ter a auditoria, a sustentação financeira de que o Estado vai dar total apoio às medidas futuras necessárias e a decisão política para a retirada. Não é questão de quando, é questão de como - afirma Pitta Pinheiro.

O debate sobre o tema vai ganhar em breve, também, espaço na Assembleia Legislativa. Foi aprovado ontem pedido do deputado Rodrigo Lorenzoni (DEM) para audiência pública, em data ainda a ser definida.