Borden: um dos maiores e mais antigos processadores de leite dos EUA pede falência

14-01-2020 10:14:13 - Por: CNN Business, traduzidas pela Equipe MilkPoint

A Borden disse que pediu falência porque não pode pagar sua carga de dívidas e suas obrigações com pensões.

A Borden Dairy Co., uma das maiores e mais antigas empresas de laticínios dos Estados Unidos, se tornou o segundo maior produtor de leite a declarar falência nos últimos dois meses. A queda do consumo de leite, combinada com o aumento do preço do leite, prejudicou a indústria de laticínios com dívidas. Dean Foods, maior produtor de leite da América, entrou em falência em 12 de novembro.

A Borden disse que pediu falência porque não pode pagar sua carga de dívidas e suas obrigações com pensões. Possui 3.300 funcionários, 22% dos quais cobertos por um acordo coletivo de trabalho.

A empresa disse que também foi afetada por tendências mais amplas do setor, incluindo uma queda de 6% no consumo total de leite nos EUA desde 2015. A Borden observou que mais de 2.700 fazendas familiares de laticínios fecharam as portas no ano passado e 94.000 deixaram de produzir leite desde 1992. Com o aumento do custo de leite no atacado devido ao menor número de fornecedores e os baixos preços no varejo devido ao menor consumo, as margens de processadores de leite sofreram, informou a empresa em seu documento.

"Apesar de nossas inúmeras conquistas nos últimos 18 meses, a empresa continua sendo impactada pelo aumento do custo do leite cru e pelos desafios do mercado que a indústria de laticínios enfrenta", afirmou o CEO Tony Sarsam em comunicado. Ele disse que a empresa discutiu "uma série de possíveis planos estratégicos" com seus credores. Mas não conseguiu chegar a um acordo com eles sobre o que fazer a seguir.

A empresa disse apenas que planeja permanecer nos negócios durante o processo de falência e não especifica se pretende permanecer nos negócios por mais tempo ou liquidar. Mas, em comunicado oficial, também disse que pretende usar o processo de falência para eliminar dívidas e se posicionar para ter "sucesso a longo prazo".

A empresa teve vendas líquidas de US$ 1,2 bilhão em 2018, mas isso resultou em uma perda líquida de US$ 14,6 milhões. De janeiro de 2019 a 7 de dezembro, a Borden reportou um prejuízo líquido de US$ 42,4 milhões, de acordo com seu pedido de falência.

A história da empresa data de antes da Guerra Civil dos EUA, quando sua fundadora, Gail Borden, desenvolveu o primeiro método comercial de condensação de leite em 1856. Ele e seu parceiro abriram uma fábrica no norte de Nova York em 1861 e prosperaram fornecendo leite condensado para o exército da união. Não mudou seu nome para Borden Dairy Co. até 1919.

Em 1930, Borden havia comprado mais de 200 outras empresas de laticínios dos EUA para se tornar o maior distribuidor de leite fluido do país, segundo o documento. Em 1936, "Elsie the Cow" se tornou o mascote publicitário da empresa. A Elsie foi o centro de seu marketing nas próximas décadas e foi apontada como um dos 10 principais ícones de publicidade do século 20 pela AdAge em 2000.

A empresa se ramificou em outros negócios, incluindo produtos químicos, e iniciou outra farra de aquisições, comprando 23 empresas por US$ 442,6 milhões, apenas em 1987. Porém, no início dos anos 90, começou a ter problemas financeiros e, em 1995, foi comprada pela empresa de private equity Kohlberg Kravis Roberts & Co. por US$ 2 bilhões e tornou-se privada. Muitos dos outros segmentos foram vendidos, deixando principalmente o negócio de laticínios.