Impactos da pandemia no mercado brasileiro de leite Impactos da pandemia no mercado brasileiro de leite

20-04-2020 13:58:29 - Por: CILeite Embrapa

No mercado brasileiro, o abastecimento, por enquanto, segue normal, mas vários desafios têm surgido diariamente.

Impactos da pandemia no mercado brasileiro de leite
A produção mundial de leite iniciou 2020 em crescimento, sobretudo na Europa e Estados Unidos. Em meio a essa expansão de oferta veio a pandemia do Covid-19, causando impactos em vários mercados. Isso afetou também o leite, com uma pressão baixista nas cotações internacionais, exatamente no momento de safra no hemisfério norte.

No mercado brasileiro, o abastecimento, por enquanto, segue normal, mas vários desafios têm surgido diariamente. A cadeia produtiva do leite já vinha enfrentando dificuldades, com baixa evolução do consumo e da produção nos últimos anos. Em 2019, apesar de um crescimento de 2,2% na produção inspecionada, houve recuo de quase 0,9% no último trimestre em relação ao mesmo período de 2018. Além disso, a seca prejudicou a oferta de leite no Sul no início deste ano. As importações continuam pouca competitivas no atual cenário de câmbio desvalorizado. Portando, abrimos 2020 com uma oferta restrita.

O setor alimentício será um dos menos afetados pela pandemia, inclusive por sua característica essencial. Os consumidores tem direcionado o orçamento para alimentação e saúde. Além disso, a maioria dos lácteos é inelástica à renda, o que implica que o consumo recua em menor proporção que a renda em momentos de retração econômica. Outro ponto é o fato do Brasil ser importador líquido de leite e um eventual excedente de oferta pode ser atenuado. Os estímulos econômicos anunciados, como transferência de renda, também vão ajudar, pois os recursos devem ser utilizados para a compra de alimentos.

Por outro lado, o produtor de leite tem sentido o incremento no custo de produção, principalmente do concentrado. De janeiro a abril deste ano, em relação ao mesmo período de 2019, produtores gastaram 32% mais leite para comprar uma saca de concentrado.

Figura 1. Litros de leite para compra de saca de 60kg de mistura (70% milho / 30% farelo de soja).

É neste cenário que surge a pandemia, em pleno início de entressafra. Ressaltamos pelo menos quatro impactos:

1) O efeito pânico, que levou o consumidor de forma desenfreada às compras para garantir estoques de alimentos. Houve incremento na demanda por lácteos com maior vida de prateleira, como o leite UHT e o leite em pó, que apresentaram maior volume de vendas e elevação de preços. Superado o pânico, as compras voltaram a ocorrer de forma mais regular. A pressão de demanda recuou, houve ligeiro aumento dos estoques e os preços perderam força.

2) O fechamento de canais de food service (alimentação fora do lar), prejudicando a venda de queijos e outros refrigerados. Laticínios dependentes deste canal e empresas/cooperativas que atuam na captação, mas não na fabricação de lácteos, aumentaram a ofertar de leite no Spot (venda entre empresas), provocando expressiva queda nos preços do leite cru neste mercado.

3) A queda do PIB e redução da renda da população, que parece ser o mais preocupante e menos previsível dos choques, pode deixar sequelas por um longo período. O impacto será maior conforme a duração da pandemia. Se for curta há possibilidade de recuperação. Caso contrário, o horizonte ficará mais sombrio.

4) O último impacto refere-se à consolidação setorial, na produção primária e na indústria. É um processo que já vem ocorrendo no Brasil, mas dependendo da duração da pandemia pode se acelerar. Laticínios e produtores com dificuldades operacionais e financeiras podem deixar a atividade. É importante neste momento uma gestão refinada, com corte de gastos, descarte de animais menos produtivos e muito diálogo com os fornecedores e clientes. Todos estão no mesmo barco.