Safra Mineira de grãos deve ter crescimento de 7,4% Safra Mineira de grãos deve ter crescimento de 7,4%

13-05-2020 11:10:30 - Por: Diário do Comércio

A produção de milho no Estado deve chegar a 7,8 milhões de toneladas.

Safra Mineira de grãos deve ter crescimento de 7,4%
A produção de grãos na safra 2019/20 em Minas Gerais será de 15,2 milhões de toneladas, volume 7,4% maior que as 14,2 milhões de toneladas registradas na safra anterior. Nesta temporada, as condições climáticas foram favoráveis para o desenvolvimento dos produtos e houve aumento de 5,1% na produtividade média estadual.

Entre os destaques estão a produção de soja, com aumento de 16%, e a de milho total, com alta de 3,6%. Os dados são do 8º Levantamento da Safra de Grãos 2019/20, divulgado ontem pela Companhia Nacional de Abastecimento (Conab).

De acordo com o secretário de Política Agrícola do Ministério da Agricultura, Pecuária e Abastecimento (Mapa), Eduardo Sampaio, a safra de grãos não sofreu interferências negativas da pandemia do novo coronavírus e segue abastecendo os mercados interno e externo.

“Estamos acompanhando de perto todos os problemas provocados pela pandemia e não tivemos nenhum problema de abastecimento”, disse Sampaio.

Segundo o relatório da Conab, a área plantada com grãos no Estado é de 3,53 milhões de hectares, expansão de 2,2%. A produtividade foi estimada em 4,3 toneladas por hectare, 5,1% maior quando comparada com a do ano-safra anterior. O clima mais favorável foi importante para o avanço na produtividade.


Soja – Os dados da Conab mostram que a produtividade da soja, em Minas Gerais, cresceu 10,9%, atingindo um rendimento médio de 3,57 toneladas por hectare. Com o aumento, a produção deve totalizar 5,88 milhões de toneladas, o que é um volume recorde para o Estado e representa um avanço de 16% sobre as 5,07 milhões de toneladas colhidas em 2018/19. A área em produção cresceu 4,6% e somou 1,64 milhão de hectares. A safra está em fase final de colheita.

Outro destaque é a safra de milho, que, no total, ficará 3,6% maior, com a produção de 7,8 milhões de toneladas. A área de plantio é de 1,19 milhão de hectares, expansão de 2%. A produtividade cresceu 1,6%, com a colheita de 6,54 toneladas por hectare.

Na primeira safra de milho, a produção somou 4,61 milhões de toneladas, variação positiva de 0,5% frente as 4,58 milhões de toneladas colhidas na safra anterior. Assim como em outros anos, houve redução da área de plantio (-4%), com o uso de 718,9 mil hectares. A produtividade foi favorecida pelo clima e cresceu 4,7%, com rendimento médio por hectare estimado em 6,4 toneladas.

A segunda safra de milho, que está em período de desenvolvimento, tende a cresce 8,6%, com a colheita estimada em 3,18 milhões de toneladas. A produtividade média foi calculada em 6,7 toneladas por hectare, 3,5% menor. Com preços atrativos e janela de plantio favorável, a área destinada ao cultivo do milho segunda safra foi ampliada em 12,6%, somando 473,5 mil hectares.

“Houve uma ampliação da área de produção, estimulada pela melhor cotação do grão, que está diretamente ligada à desvalorização do real frente ao dólar”, explicou o diretor-executivo de Política e Informações da Conab, Sérgio De Zen.

Feijão – Já a produção total de feijão deve ficar praticamente estável no Estado, com pequena variação positiva de 0,7% na safra 2019/20. O levantamento da Conab aponta para uma produção de 539 mil toneladas.

Na primeira safra, Minas Gerais colheu 192,6 mil toneladas de feijão, volume 21,7% superior. A produtividade, 1,2 tonelada por hectare, aumentou 15,9%. A área em produção foi ampliada em 4,9%, com o plantio ocupando 157,4 mil hectares.

Já na segunda safra de feijão, a área de plantio foi reduzida em 11%, totalizando 129,3 mil hectares. A produtividade retraiu 7,4%, com estimativa de colheita de 1,2 tonelada por hectare. Com a queda da produtividade e a área menor, a produção deve ficar 17,6% inferior e somando 167,3 mil toneladas. Para a terceira safra de feijão é apontada queda de 1,2% na produção, que deve alcançar 179,2 mil toneladas.

Algodão – Outra produção que deve ficar menor em 2019/20 é a de algodão em caroço. De acordo com a Conab, a estimativa é colher 161 mil toneladas do produto, volume que, se alcançado, será 4,6% menor. A redução aconteceu pela menor área plantada, que recuou 9,9%. A produção ocupa uma área de 37,8 mil hectares. A produtividade média, 4,26 toneladas por hectare, cresceu 6%.

A produção de algodão em pluma deve ficar em 64,4 mil toneladas, retração de 4,6% frente à da safra anterior.

De acordo com Sérgio De Zen, o mercado do algodão foi prejudicado pela pandemia. “Fatores como o isolamento social e o fechamento das lojas reduziram a demanda da indústria da moda e, como consequência, a demanda e as cotações do algodão”, disse De Zen.

São Paulo – A safra de soja do Brasil na temporada 2019/20 foi estimada ontem em 120,3 milhões de toneladas, ante 122 milhões de toneladas na projeção de abril, de acordo com levantamento mensal da Companhia Nacional de Abastecimento (Conab).

Apesar da redução, a produção estimada para a safra ainda é um recorde na série histórica, representando um acréscimo de 4,6% em relação ao ciclo passado, disse a Conab.

A estatal comentou que a grande safra foi registrada apesar do impacto negativo causado pela seca no Rio Grande do Sul. O problema nas lavouras gaúchas foi compensado por produtividades recordes em Mato Grosso, Paraná, Goiás, São Paulo, Tocantins, Maranhão, Rondônia e Distrito Federal, destacou a Conab.

As exportações de soja do Brasil devem seguir fortes nos próximos meses, com a programação de navios indicando embarques de 12 milhões de toneladas em maio, ressaltou a Conab, que vê embarques anuais do País entre 75 milhões e 77 milhões de toneladas.

Em abril, as exportações de soja do Brasil, o maior exportador global dessa commodity, somaram um recorde para todos os meses, de 16,3 milhões de toneladas, de acordo com dados da Secretaria de Comércio Exterior (Secex).

Em meio à forte demanda da China, o Brasil exportou, até o momento no ano, aproximadamente 33,66 milhões de toneladas de soja em grãos, enquanto que, no mesmo período de 2019, esse volume era de 25,16 milhões, segundo relato da Conab.

Milho – A colheita total de milho 2019/20 do Brasil foi prevista em 102,3 milhões de toneladas, ante 101,9 milhões em abril, disse a Conab, que elevou em 500 mil toneladas a projeção da segunda safra, para 75,9 milhões de toneladas.

A Conab estimou a exportação de milho do Brasil em 34,5 milhões de toneladas na safra atual, mas disse ver espaço para um volume maior devido ao câmbio favorável a vendas externas – no ciclo anterior, o País teve um recorde de 41,2 milhões de toneladas.

A safra de algodão do Brasil 2019/20 foi prevista em 2,88 milhões de toneladas (pluma), estável ante abril, segundo os números da Conab, que reduziu em 300 mil toneladas a previsão de exportações da fibra no período, para 1,7 milhão de toneladas.

A safra de trigo do Brasil em 2020 foi estimada em 5,4 milhões de toneladas, estável ante abril, disse a Conab, que também projetou um aumento nas importações do cereal no ano pelo País para 7,3 milhões de toneladas, ante 7,2 milhões na previsão de abril. (Reuters)