Família Frey investe em ordenha mecânica em Venâncio Aires

22-07-2020 11:08:55 Por: Assessoria de Imprensa Dália Alimentos, Foto: Leandro Osório/Divulgação

Família Frey investe em ordenha mecânica em Venâncio Aires
Em Venâncio Aires, o associado à Cooperativa Dália Alimentos, Írio Frey (64), optou pela tecnologia para trazer mais rentabilidade e otimizar o tempo em sua propriedade localizada em Linha Cecília. Frey é produtor de leite e investiu cerca de R$ 3 milhões na edificação de uma instalação com capacidade para 140 animais, além da ordenha robotizada. As obras iniciaram em janeiro de 2018 e foram finalizadas em junho deste ano com opção pelo chamado Compost Barn, um estábulo com cama de maravalha em compostagem.

Mas a cereja do bolo está na introdução da ordenha robotizada com dois boxes, o que estava nos planos da família há alguns anos. Com a administração da filha Marina (32), que pretende ser a sucessora dos pais, a expectativa é de a produção atinja os quatro mil litros de leite por dia com 140 vacas em lactação, isso a médio e longo prazos. Marina, que é formada em biologia, trabalhava no departamento financeiro de uma universidade e residia no centro de Venâncio Aires. No início do ano optou por retornar à casa dos pais e dar sequência à tradição familiar no leite.

Hoje a produção é de 600 mil litros de leite por ano com 76 vacas lactantes da raça Holandês. Conforme Frey, produtor de leite há mais de cinco décadas, o avanço na propriedade só se deu por incentivo da filha, que queria retornar com diferenciais e assumir os negócios agropecuários visando ao lucro e à qualidade. “Eu já estava pensando em parar e nada melhor do que a filha tocando tudo aquilo que construímos com muito esforço nestes anos de muito trabalho”, diz o pai.

Marina garante que o Frey é um visionário e um homem com pensamento avante. “Desde criança a gente sempre ajudou em tudo. Muita gente se admira quando chega aqui em casa e me vê na lida, justamente pelo fato de eu ser mulher, e eu fico feliz porque elas estão cada vez amis inseridas e fortes no agronegócio”.

Para a jovem bióloga, ser a sucessora e seguir com a atividades que os avós e os pais iniciaram é um sonho antigo. “O desejo de retirar deles um pouco da carga do trabalho com leite é algo que eu pensava, afinal, são 365 dias do ano lidando com as vacas, sem hora, sem finais de semana, sem feriados, faça sol ou faça chuva”.

Para conhecer as instalações, estiveram na propriedade o presidente do Conselho de Administração, Gilberto Antônio Piccinini e o conselheiro de Administração da região, Rodrigo Schmitz.