EUA: indústria do leite quer livre acesso ao mercado do Quênia

14-08-2020 12:39:44 Por: Business Daily, traduzidas pela Equipe MilkPoint

EUA: indústria do leite quer livre acesso ao mercado do Quênia
Os produtores de leite dos EUA querem que seus produtos lácteos tenham acesso irrestrito ao mercado queniano, como proposta para acordo de livre comércio entre Nairóbi e Washington, mas isso pode ter implicações de longo alcance para os produtores do Quênia.

O Quênia recentemente introduziu uma taxa de importação de 10% sobre produtos lácteos para proteger a indústria local da concorrência desleal.

Mas em uma carta ao Representante de Comércio dos EUA, Robert Lighthizer, sobre as negociações comerciais, a International Dairy Foods Association (IDFA) disse que as medidas protecionistas do Quênia sobre o setor de lácteos limitam a capacidade dos EUA de entrar no mercado queniano. IDFA é o órgão representativo da indústria de fabricação e marketing de laticínios dos Estados Unidos.

“Atualmente, o Quênia mantém tarifas altas em uma gama de produtos agrícolas, incluindo laticínios, em uma média de mais de 50%, porque considera os lácteos como produtos ‘sensíveis’ e usa essas taxas para estabilizar os preços domésticos”, disse o presidente e CEO do IDFA, Michael Dykes em carta datada de 5 de agosto. "Os negociadores dos EUA devem buscar ambiciosas reduções tarifárias, inclusive para os produtos lácteos, enquanto pretendem conseguir uma entrada simples e fácil das importações de lácteos dos EUA no Quênia."

O Quênia e os Estados Unidos iniciaram formalmente as negociações no mês passado, para traçar um acordo comercial bilateral, que as duas economias esperam que possa servir de modelo para acordos adicionais em todo o continente africano. Depois de ser um importador líquido de produtos lácteos há uma década, os EUA agora afirmam um superávit comercial de lácteos de mais de US$ 2 bilhões e enviam produtos lácteos americanos para mais de 140 países.