Pandemia criou uma tempestade perfeita para os lácteos nos EUA

26-08-2020 11:12:39 Por: Dairy Reporter, traduzidas pela Equipe MilkPoint

Pandemia criou uma tempestade perfeita para os lácteos nos EUA
No início da paralisação devido à pandemia, notícias nos EUA mostravam prateleiras vazias de supermercados nos corredores dos supermercados e produtores descartando o leite que não podiam vender. Um novo estudo do Instituto para um Novo Pensamento Econômico (INET), Spilt Milk: COVID-19 and the Dangers of Dairy Industry Consolidation, afirma que a pandemia criou a "tempestade perfeita" para a indústria de laticínios nos EUA.

O relatório foi de autoria da co-diretora do Centro de Pesquisa Econômica e Política (CEPR), Eileen Appelbaum, e do pesquisador Jared Gaby-Biegle, que disse ser um exame dos quase 40 anos de consolidação e especialização do processamento de leite e laticínios, que deixaram a indústria dominada por alguns grandes processadores de laticínios, inflexível e incapaz de se ajustar às circunstâncias desafiadoras.

Os avanços na tecnologia tornaram o processamento de lácteos em grande escala viável e os grandes laticínios mais produtivos e capazes de produzir um leite mais barato do que as pequenas fazendas. Mas em 1982, as regras antitruste contra a dominação do mercado por algumas empresas foram redirecionadas para proteger o bem-estar do consumidor, que, segundo o estudo, foi interpretado de forma restrita como preços mais baixos ao consumidor. Isso criou uma onda de consolidação que ainda está em andamento, disseram os autores do estudo.

Corporações de propriedade de investidores como a Dean Food entraram em uma onda de compras, disseram, abocanhando os concorrentes. Em 2001, a Dean Food era o segundo maior produtor de laticínios dos Estados Unidos.


As cooperativas de laticínios seguiram um caminho semelhante, com grandes cooperativas comprando outras menores e recrutando produtores de leite independentes para se tornarem membros. Quatro grandes cooperativas regionais se fundiram para se tornarem Dairy Farmers of America (DFA) em 1998 e se expandiram para outras partes da cadeia de abastecimento de produtos lácteos.

DFA, Dean Food e Borden Dairy dominaram a indústria de laticínios durante a maior parte do século 21. O relatório disse que a monopolização do processamento de laticínios pegou muitos agricultores familiares em um ciclo de consolidação e superprodução, já que os processadores definiram os preços do leite cru abaixo do custo de produção para fazendas menores.

Para sobreviver, argumentam os autores, os produtores aumentaram o número de vacas e a escala de produção para reduzir custos, aumentando a oferta de leite, enquanto a demanda por leite caía.

Os esforços dos produtores para aumentar a escala das operações e alcança maior produtividade e maiores volumes de leite levaram a um excesso de oferta. Mesmo antes da pandemia, esse excesso de oferta resultou em uma queda de 40% no preço do leite cru entre 2014 e 2019, o que, segundo o relatório, levou milhares de fazendas menores à falência.

Ele disse que quando a pandemia atingiu compradores de alto volume, como restaurantes e escolas, e estes fecharam, os processadores altamente especializados e as cadeias de abastecimento inflexíveis  da indústria láctea sufocaram sob pressão, deixando alguns produtores sem escolha a não ser despejar leite.

Os autores do estudo também disseram que, embora a indústria tenha recebido um resgate de US$ 16 bilhões do CARES Act, criado pela emergência da pandemia, a distribuição dos fundos da CARES Act favoreceu as grandes fazendas leiteiras.

“A solução final é desmembrar as maiores cooperativas de laticínios que não atendem mais aos interesses dos proprietários membros e desmembrar as corporações monopolizadas pertencentes a investidores que processam produtos lácteos”, disse Appelbaum. “Os estados mostraram que não podemos esperar para quebrar esses gigantes e começar a limitar o domínio da indústria e aumentar sua resiliência.”