Nova Zelândia tem novo enfoque na produção de leite sustentável

31-08-2020 10:31:33 Por: Rural News Group, traduzidas pela Equipe MilkPoint

Nova Zelândia tem novo enfoque na produção de leite sustentável
"A sustentabilidade é um dos principais desafios enfrentados pela atual geração de produtores de leite", disse Melissa Slattery, produtora em Waikato, na Nova Zelândia, e nova presidente do programa do Dairy Environment Leaders.

Ela afirma que o desenvolvimento de soluções para qualidade da água e mudanças climáticas são cruciais para que o setor continue relevante e lucrativo. “Com nossa produção de leite predominantemente a pasto, somos os produtores mais eficientes em todo o mundo, mas precisamos ser relevantes no futuro”, disse Slattery. “Cada geração teve seus desafios e este é o nosso.”

Slattery e seu marido, Justin, operam uma fazenda de gado leiteiro com 300 vacas e 106 hectares perto de Te Aroha. Ela é sócia de uma firma de contabilidade local. Os Slatterys ganharam o título NZ Dairy Industry Awards 2015 Sharemilker/Equity Farmer of the Year.

O programa Dairy Environment Leaders é administrado pela DairyNZ. Slattery, que faz parte do programa há três anos, substituiu a produtora de Matamata, Tracy Brown. “Estou ansiosa para mostrar todo o excelente trabalho que os produtores de leite vêm fazendo na Nova Zelândia, para melhorar a qualidade da água, reduzir as emissões de gases e a pegada ambiental das fazendas leiteiras, ao mesmo tempo em que mantêm o lucrativo negócio agrícola.”

A Nova Zelândia é responsável por menos de 0,2% das emissões globais e os produtores de leite estão entre os mais eficientes do mundo, em termos de emissões.

Ela observa que o País fez compromissos internacionais para as mudanças climáticas que exigem reduções nos gases do efeito estufa. Como a agricultura representa 49% dos gases da Nova Zelândia, é preciso encontrar soluções para reduzir a pegada, enquanto mantém-se a capacidade lucrativa da produção de leite e sua contribuição para a economia nacional. “O compromisso de nosso país com a melhoria da qualidade da água em uma geração também exigem colaboração, inovação, tecnologia e soluções práticas”, diz ela.

Os produtores de leite da Nova Zelândia têm melhorado sua pegada de carbono, mas é necessário mais trabalho. Slattery destaca que, ao longo do tempo, a indústria alcançou eficiência de 2% ao ano nas emissões de carbono .

“Isso significa ser mais eficiente na fazenda e inovar por meio de medições, genética ou pelo ajuste fino de nossos sistemas. Produzir mais pasto/ha, desperdiçando menos ração, seja por meio de práticas agrícolas aprimoradas ou investimento em infraestrutura, é uma situação ganha-ganha que se acumulou com o tempo. “O foco agora é como atingiremos a redução de 10% até 2030 e as metas maiores e mais ambiciosas para 2050. A forma como nós as atingiremos ainda são desconhecidas.”

Ela diz que existem algumas inovações interessantes. Por exemplo, o trabalho recentemente anunciado em cowbotcha, por meio da Fonterra, um suplemento para ruminantes que reduz a produção de metano. "Esperançosamente, essas inovações que ainda não encontramos na fazenda nos ajudarão a atingir nossas metas de longo prazo", disse Slattery.

Na qualidade da água, os produtores investiram em infraestrutura de efluentes, cercaram cursos de água e alguns diminuíram as áreas das fazendas. Eles registram o uso de nutrientes e refinaram a política de fertilizantes, de forma que só aplicam o que a pastagem e a safra precisam para crescer.

Slattery observa que os produtores que irrigam investiram em melhor infraestrutura, monitoramento de umidade e são auditados em seu consentimento de irrigação.

Os produtores fizeram muitas plantações ribeirinhas e alguns estão construindo pântanos para coletar contaminantes. A indústria está adotando o Farm Environment Plans para apoiar e orientar as práticas na fazenda com base nos tipos de solo, topografia, queda de chuva, sistemas agrícolas, infraestrutura e corpos d água locais.

“Muito foi feito – embora haja muito mais a fazer”, diz Slattery. “Algumas bacias estão enfrentando problemas em termos de redução de nitrogênio. É fundamental dar o tempo necessário para que os produtores façam as mudanças para atender aos novos limites, sem perda total de viabilidade financeira.”

Slattery acredita que fortes credenciais sustentáveis trarão melhores retornos e manterão os negócios em boa posição para a próxima geração. “O crédito que obteremos é nos posicionarmos para alcançar valor agregado e uma prática agrícola sustentável, além de manter nossa participação de mercado à medida que os consumidores apreciam o valor de uma boa comida. Os consumidores e os mercados determinarão o crédito que merecemos. Tem sido positivo ver a atuação do setor de laticínios  para ajudar a reconstruir a economia após os efeitos da Covid-19.”