Como o Reino Unido reduziu as emissões do setor lácteo sem diminuir a produção

25-09-2020 10:45:46 Por: AHDB, traduzidas pela Equipe MilkPoint

Como o Reino Unido reduziu as emissões do setor lácteo sem diminuir a produção
Reduzir a população mundial de vacas leiteiras diminuiria drasticamente as emissões de gases de efeito estufa (GEE) e as demandas de terra para a produção de leite. No entanto, para isso, os consumidores não precisam refrear seu amor pelos produtos lácteos, já que menos vacas não significa necessariamente menos leite, queijo e iogurte.

A análise feita pelo Agriculture and Horticulture Development Board (AHDB) com dados do FAOSTAT revela que as vacas leiteiras do Reino Unido produzem cerca de 200% mais leite do que a média global.

Dentre os principais países produtores de leite, as 1,9 milhão de vacas do Reino Unido são as segundas mais produtivas do mundo, com 15 bilhões de litros de leite todos os anos. Se as taxas médias de produção global aumentassem dos atuais 2.500 litros por ano para as observadas no Reino Unido, o rebanho leiteiro mundial poderia ser reduzido em até 70%.

O analista líder de laticínios da AHDB, Chris Gooderham, disse: “É importante observar que a produção de leite difere muito em todo o mundo, influenciada pelas raças bovinas, restrições ambientais, como o clima, e fatores socioeconômicos e culturais. No entanto, as vacas do Reino Unido estão mostrando que é teoricamente possível produzir a mesma quantidade de leite de apenas 83 milhões de vacas, em comparação com as atuais 265 milhões.”

Essas reduções dramáticas diminuiriam o impacto ambiental do setor lácteo, bem como as emissões de metano e o uso da terra. Segundo Jonathan Foot, Chefe de Meio Ambiente da AHDB, “cortar as emissões de carbono em todos os setores contribuintes é uma prioridade para governos nacionais, cientistas e formuladores de políticas. Mas a população cada vez maior e as condições climáticas extremas apresentam a segurança alimentar e a acessibilidade como de igual importância.”

“No Reino Unido, nosso clima permite uma das produções de leite mais sustentáveis ??do mundo, já que 60% de nossas terras agrícolas são pastagens. No entanto, também é nosso foco melhorar a eficiência e a produtividade. É necessário que esse foco seja global para reduzir as emissões enquanto continuamos fornecendo alimentos básicos para bilhões de pessoas.”

Nos últimos 25 anos, taxas de produção impressionantes contribuíram para o encolhimento do rebanho leiteiro do Reino Unido em quase 30%, enquanto a produção aumentou em 4%.

Esse sucesso se deve principalmente ao investimento da indústria em genética e saúde das vacas, de acordo com o chefe de genética animal da AHDB, Marco Winters. “O rebanho leiteiro do Reino Unido foi moldado nas últimas décadas por uma ênfase crescente em genética aprimorada. A genética nos permite selecionar e reproduzir indivíduos saudáveis ??e de alta produção, garantindo rebanhos consistentes e resilientes. Isso nos permitiu abordar as questões de saúde e fertilidade, por exemplo, vimos melhorias significativas na saúde do úbere e, mais recentemente, melhorou a fertilidade.”

A indústria de laticínios do Reino Unido continua identificando maneiras de melhorar a eficiência na fazenda, otimizando recursos e reduzindo o desperdício. Também está continuamente comprometida em melhorar a saúde e o bem-estar das vacas.