Os consumidores correram para os laticínios nos EUA

29-09-2020 10:47:34 Por: Hoards Dairyman, traduzidas pela equipe do MilkPoint

Os consumidores correram para os laticínios nos EUA
Durante o auge do pânico nas compras por conta da COVID-19, as fotos inundaram os jornais e as páginas das redes sociais de prateleiras vazias de supermercados – assim como as caixas de laticínios. Os produtores de leite observaram como os consumidores corriam para estocar leite, queijo, manteiga e iogurte. Em muitos lugares, quase não havia o suficiente para todos, mas isso não era apenas pelas qualidades nutricionais do leite.

“Corremos em direção à comida quando estávamos mais seguros em casa e fechados”, disse o economista Mark Stephenson em 23 de setembro no Hoards Dairy man Dairy Livestream patrocinado pela World Dairy Expo . “A comida era um conforto”, continuou ele.

John Talbot detalhou como as decisões alimentares se desenvolveram durante a pandemia. “Acho que uma das maiores percepções [do consumidor] que vimos é a ampliação de nossa definição de saúde em uma ideia de bem-estar holística, que combina saúde física e emocional”, disse o CEO do California Milk Advisory Board (CMAB). “Conhecemos muito bem o lado nutricional, mas estamos aprendendo cada vez mais sobre o impacto que a saúde emocional tem sobre o comportamento de compra, sobre as preferências alimentares e assim por diante.”

Os laticínios se beneficiaram tremendamente desse desejo por comida familiar e confiável. Em alguns períodos de março, as vendas semanais de lácteos foram quase meio bilhão de dólares acima do normal.


A CMAB começou a usar o valor emocional da comida como um fator em seus esforços promocionais. O café da manhã, por exemplo, não só tem o potencial de ser uma refeição nutritiva e rica em laticínios, mas pode proporcionar um tempo valioso para a família quando comem juntos. Juntos, esses são dois dos princípios da campanha publicitária e de mídia “O dia pode esperar” do grupo de verificação para incentivar o café da manhã.

Alimentos reconfortantes em lugares desconfortáveis

Stephenson lembrou que as vendas de laticínios sempre precisam atender os consumidores onde eles estão. “No momento, eles estão em casa”, acrescentou. Laticínios para o café da manhã, cozinhar e assar são viáveis - e confortáveis.

O CEO da Dairy Management Inc., Tom Gallagher, expressou a necessidade de atender aos consumidores onde eles possam consumir laticínios. As pessoas que voltam aos laticínios durante a pandemia têm sido um grande lembrete de seu valor, disse ele. “Isso só serve para mostrar que, para muita gente, não existe um problema filosófico com os laticínios”, afirmou.

“O problema é que, durante anos, conforme as pessoas saíam de casa, certos produtos, principalmente os fluidos, não atendiam o consumidor onde estavam”, identificou Gallagher. “Todas as mensagens do mundo, toda a confiança que eles têm no leite fluido, todo o conhecimento das nove vitaminas essenciais (nutrientes), não vai importar se o produto não estiver sendo servido de certa forma onde você está.”


Nesse contexto, Gallagher identificou oportunidades em bebidas e alimentos para viagem que os consumidores exigiam na economia pré-pandêmica a serem substituídos por laticínios em casa e fora dela. “Se dermos o produto onde estão, eles vão consumir”, afirmou. Sobre a pandemia, ele disse: “É reforçado que as pessoas querem laticínios”.

Uma série contínua de eventos

Dairy Livestream irá ao ar duas vezes por mês até o final deste ano. A próxima transmissão na quarta-feira, 7 de outubro às 11h CST terá como foco “Podemos vender aquele queijo?” Cada episódio é projetado para que os membros do painel respondam a perguntas do público em cerca de 30 minutos. Se você ainda não entrou na transmissão do Dairy Livestream, registre-se aqui . Registrar uma vez o registra em todos os eventos futuros.