3° Fórum do Agronegócio aborda cenários e cases do segmento lácteo

30-11-2020 10:50:32 Por: Sindilat

3° Fórum do Agronegócio aborda cenários e cases do segmento lácteo
O 3° Fórum Internacional do Agronegócio, evento promovido de forma online pela Câmara Brasil – Alemanha na quinta-feira (26/11,) teve suas atenções voltadas ao segmento lácteo nesta edição. Representantes de entidades do setor, do sistema financeiro, laticínios e empresas de tecnologia estiveram presentes no debate.

O secretário-executivo do Sindicato da indústria de Lácteos e Derivados do RS (Sindilat), Darlan Palharini, participou do fórum e apresentou um balanço e perspectivas para a cadeia produtiva em 2020 e 2021. “Este ano foi desafiador, e o agronegócio saiu fortalecido pela sua importância econômica e social”, afirmou Para 2021, o dirigente prevê que o setor enfrentará mais um desafio, este já conhecido dos gaúchos; a estiagem, fenômeno climático que se repete no Estado com uma frequência de cinco episódios a cada 10 anos. De acordo com Palharini, é preciso uma política de Estado para garantir acesso de agricultores à irrigação. Para isso, o Sindilat, em conjunto com outras entidades do setor e representantes do meio empresarial vem discutindo a construção de uma proposta permanente para fazer frentes às frequentes estiagens.


Outro grande desafio em curso é a Reforma Tributária, em que o setor está mobilizado para tentar garantir a manutenção dos créditos presumidos que tanto tem fomentado a atividade e contribuído para amenizar a guerra fiscal entre os demais estados produtores de leite e derivados. O alerta, segundo Darlan, vem também para impedir que o êxodo na atividade se repita. “Nos últimos anos foram mais de 35 mil produtores de leite que saíram da atividade no Rio Grande do Sul. Esta é uma questão social importante que precisa de atenção”, pontuou.

Darlan Palharini ainda apresentou estatísticas da produção nacional e da atividade leiteira. O país tem cinco grandes estados que concentram a maior parte da produção leiteira nacional, sendo o RS o terceiro em volume, com uma captação de 4,2 bilhões de litros computados em 2019. A Região Sul por sua vez, detém a maior fatia dessa produção, uma vez que os três estados figuram no ranking dos 5 maiores. O líder, Minas Gerais, apresentou no ano passado um volume de 9,4 bilhões de litros. “No nosso Estado, a cadeia láctea representa 2,81% do PIB gaúcho. São 242 empresas considerando todos os níveis de inspeções e 150 mil produtores”, elencou.

O presidente da Cooperativa Languiru, Dirceu Bayer, comentou sobre importante investimento da agroindústria, com sede em Teutônia (RS), com a aquisição de maquinários de grande porte em parceria com a alemã Claas, ação que acaba por beneficiar todo o contingente de associados. No entanto, o maior investimento da cooperativa nos últimos anos foi o sistema de rastreabilidade digital da produção, algo considerado inédito que coloca a cooperativa como case internacional nesta área.


O processo foi realizado junto com a SIG Combibloc, umas maiores fabricantes mundiais de sistemas de envase e embalagens cartonadas assépticas. A tecnologia empregada permite que consumidores conheçam mais sobre a qualidade do leite e a rastreabilidade a partir do processo de industrialização. A solução digital desenvolvida pela SIG Brasil utiliza um QR Code exclusivo por embalagem e outro por caixa, além de um código de barra por pallet, todos impressos durante a fabricação dos produtos lácteos na Languiru. Esses códigos garantem a rastreabilidade a partir da industrialização do leite até o ponto de venda, além de trazer informações sobre a qualidade da matéria-prima no seu processo de produção. Segundo a PhD em Engenharia de Alimentos Katherine de Matos, pesquisa recente mostrou que 65% dos consumidores querem saber a história do produto e a origem dos ingredientes utilizados em processos de fabricação. “Hoje, a ausência de rastreabilidade traz consequências graves aos processos produtivos”, afirmou, mostrando preocupação com os números de denúncias que chegam à Secretaria Nacional do Consumidor (Senacom). “São 7,3 milhões de recalls no setor de alimentos e bebidas, com um índice de produtos recolhidos de apenas 14,5%’, pontuou. Segundo ela, a pandemia elevou ainda mais a importância de processos de qualidade que têm na rastreabilidade um de seus pilares.