Lactalis cria seu próprio CFA para produção de queijos

08-01-2021 10:31:15 Por: Les Echos, traduzidas pela Equipe MilkPoint. Foto: Daniel Osso

Lactalis cria seu próprio CFA para produção de queijos
Preparação do leite, coagulação, moldagem, drenagem, salga, refinação e embalagem. Mesmo à escala industrial, a fabricação de queijos é uma soma de profissões que deve ser repassada. A razão pela qual a Lactalis, que reivindica o primeiro lugar mundial em leite e queijo, decidiu criar para setembro de 2021 seu próprio centro de treinamento de aprendizagem (CFA) dentro de suas paredes, em Laval (Mayenne), onde está sediada.

“O desafio é a sustentabilidade desse know-how, para evitar a perda dessas profissões”, afirma Jean-Baptiste Vallée, diretor de recursos humanos da França da Lactalis, destacando que “a educação é mais generalista."

A Lactalis continuará a recrutar escolas parceiras, incluindo a rede de Escolas Nacionais da Indústria do Leite (Enil), Agrocampus Ouest e Ensaia em Nancy. Mas esses criadouros são insuficientes. Além disso, em 1974, o grupo havia montado seu próprio centro de treinamento interno, agora mobilizando 400 instrutores de funcionários.


Se agora atendem a 40% das necessidades de treinamento do grupo, "este modelo está chegando ao seu limite hoje", continua Jean-Baptiste Vallée. A lei do futuro profissional de 2018, que simplifica os procedimentos de constituição dos CFAs e prevê o financiamento dos contratos, foi o estopim para a criação deste CFA interno.

Mesmo que a solução imobiliária, entre a renovação e reabilitação dos edifícios existentes, ainda não esteja totalmente finalizada, em setembro o grupo terá instalações capazes de acolher promoções de 150 aprendizes por ano. A prioridade será dada a empregos em produção e manutenção, mas também a gerentes de setor.

Oficinas piloto - O nível necessário para entrar no CFA varia de BTS ao de engenheiro de alimentos. As instalações também deverão acomodar pequenos processos industriais e oficinas piloto necessárias para o ensino prático. Entre o investimento e a operação, a empresa pretende dedicar 850.000 euros por ano ao seu CFA.


Já os 15.000 funcionários que trabalham em suas 70 unidades na França, a Lactalis tem 5,77% dos jovens com contrato de trabalho-estudo, ou 865 pessoas. “Dobramos esse número em seis anos”, diz Jean-Baptiste Vallée, o que implica a integração de 300 alunos trabalho-estudo a cada ano em várias escolas. “Ao final desse curso, um em cada dois jovens está efetivo”, lembra a gerente, grupo que privilegia a promoção interna para 50% dos cargos preenchidos.