Comercialização de milho é lenta, e atenções se voltam ao campo

22-02-2021 11:07:45 Por: Carolina Camargo Nogueira Sales, em Boletim do Leite Cepea

Comercialização de milho é lenta, e atenções se voltam ao campo
O ritmo de negócios envolvendo milho esteve lento no mercado brasileiro nas primeiras semanas de fevereiro. Produtores voltaram as atenções aos trabalhos de campo e ao desenvolvimento da safra de verão 2020/21. Diante disso, muitos vendedores se afastaram do spot – apenas alguns agentes tentaram negociar os lotes finais de 2019/20. Compradores, por sua vez, estiveram resistentes em negociar nos atuais patamares de preços.

Quanto aos preços, na média das regiões acompanhadas pelo Cepea, o valor da saca de milho avançou leve 0,1% no mercado de balcão (preço pago ao produtor), mas caiu 1,3% no disponível (negociação entre empresas). As quedas só não foram mais acentuadas devido à sustentação dos preços no Rio Grande do Sul – nesse estado, agricultores estão preocupados com a produtividade, mesmo diante da recente melhora do clima.


Dados da Conab indicam que a produção da safra de verão 2020/21 deve somar 23,62 milhões de toneladas, 8% inferior à temporada anterior e a menor desde 1990/91. As reduções estão atreladas a irregularidades das chuvas durante o desenvolvimento das lavouras no Sul e na maior parte do Sudeste do País. Para a segunda safra, a Conab estima aumento de 6,7% na produção, que somaria 80,07 milhões de toneladas. Para a terceira safra, a estimativa ainda é de 1,77 milhão de toneladas. Com isso, a produção total é estimada em 105,4 milhões de toneladas, alta de 2,9% frente ao ano anterior.