Baixa oferta mantém preço de farelo de soja em recorde nominal

22-02-2021 11:34:16 Por: Débora Kelen Pereira da Silva, em Boletim do Leite Cepea

Baixa oferta mantém preço de farelo de soja em recorde nominal
Diante do atraso na colheita de soja no Brasil, a oferta de farelo de soja segue limitada, dificultando o abastecimento dos consumidores para o curto prazo – grande parte dos compradores sinaliza não ter estoques longos. Com isso, os preços de farelo de soja seguem renovando os patamares recordes, em termos nominais, da série do Cepea, iniciada em janeiro de 1999.

As regiões que negociam o farelo a preços recordes são: Campinas, Mogiana e São Carlos (SP); Ijuí, Passo Fundo e Santa Rosa (RS); Rio Verde e Itumbiara (GO); Maracajú (MS); Ponta Grossa e norte do Paraná (PR); Chapecó (SC), Oeste Catarinense e Triângulo Mineiro. Considerando-se as regiões acompanhadas pelo Cepea, os valores de farelo de soja subiram 3,8% entre as médias de janeiro e a da parcial de fevereiro (até o dia 17). O atual preço do subproduto está mais que o dobro acima do observado há um ano.


O lado bom para os compradores é que as indústrias já têm ofertado lotes de farelo de soja com entrega a partir de março a preços inferiores aos praticados no mercado spot. Isso porque, além de a oferta da matéria-prima ser maior, diante da intensificação na colheita do grão, o contrato com vencimento em março/21, na Bolsa de Chicago (CME Group), indica queda nos valores, de 2,7% entre janeiro e a parcial de fevereiro, pressionando, assim, a paridade de exportação do derivado no Brasil, para contratos de março.