Enfraquecimento da demanda freia importações de lácteos em janeiro

22-02-2021 12:11:33 Por: Munira Nasrrallah e Juliana Santos, em Boletim do Leite Cepea

Enfraquecimento da demanda freia importações de lácteos em janeiro
As importações de produtos lácteos recuaram 20,5% de dezembro/20 para janeiro/21, somando 17,9 mil toneladas de derivados no primeiro mês deste ano, segundo apontam dados da Secex. Essa diminuição esteve atrelada ao enfraquecimento da demanda interna nesse período, tendo em vista a perda do poder de compra do consumidor brasileiro. Já quando comparado ao volume de janeiro do ano passado, verifica-se forte alta de 63,7% nas compras externas de produtos lácteos.

As importações de leite em pó – que corresponderam por 68,2% de todo o volume de lácteos adquirido internacionalmente pelo Brasil em janeiro – recuaram de 25,6% frente ao mês anterior, totalizando 12,2 mil toneladas. Porém, em relação a janeiro de 2020, houve forte aumento de 112,4% nas importações de leite em pó. Os principais fornecedores desse produto ao Brasil foram a Argentina, com participação de 48,9%, e o Uruguai, com 46,6% – ainda conforme dados da Secex.


Com relação às exportações nacionais, foram embarcadas 2,6 mil toneladas de produtos lácteos em janeiro, recuos de 7,1% frente a dezembro/20 e de 10,2% em relação a janeiro/20. As vendas de leite condensado, que representaram 40,8% do total embarcado, totalizaram 1,07 mil toneladas em janeiro/21, volume 25,8% superior ao registrado em dezembro/20 e forte aumento de 122,9% quando comparado ao de janeiro/20. Trinidad e Tobago foi destino de 31,3% dos envios desse derivado brasileiro, seguido pelos Estados Unidos, com participação de 23,1% do total embarcado.

As exportações de leite em pó, apesar de terem apresentado a menor participação no total embarcado, de apenas 1,2%, somaram 31 toneladas em janeiro/21, alta expressiva de 134,7% frente às de dezembro/20, mas expressiva queda de 97% quando comparadas às de janeiro/20.

BALANÇA COMERCIAL – Em valores, a balança comercial caiu 23,4% de dezembro/20 para janeiro/21, registrando déficit de US$ 50 milhões. No mesmo período, o recuo no déficit em volume foi de 22,4%, totalizando 15,3 mil toneladas do produto em janeiro.