Alimentos concentrados e fertilizantes elevam custo de produção da pecuária leiteira

19-03-2021 11:36:02

Alimentos concentrados e fertilizantes elevam custo de produção da pecuária leiteira
O Custo Operacional Efetivo (COE) da pecuária leiteira, que representa os desembolsos do produtor, aumentou 1,98% em fevereiro na “média Brasil” (que considera os estados da BA e de GO, MG, PR, RS, SC e SP). Essa valorização, no entanto, foi menor que a registrada em janeiro, de 3,29%. Os principais insumos que influenciaram a elevação dos custos foram os adubos e corretivos, cujos preços subiram 6,02% no mês, a maior valorização registrada para este grupo de insumos desde outubro de 2018, quando a alta das cotações foi de 6,46%.

Neste ano, os valores dos adubos e corretivos acumulam alta de 7,49%. O aumento dos preços desses insumos em fevereiro esteve atrelado às também elevadas cotações da matéria-prima para fabricação desses produtos, devido à desvalorização de 2,39% do Real frente ao dólar no acumulado do mês. A elevação dos preços do frete, devido à maior demanda para o transporte de grãos, também contribuiu para a valorização deste grupo de insumos.


Quanto aos alimentos concentrados, os preços subiram 2,06% em fevereiro, também devido aos elevados patamares das cotações das matérias primas – para a soja, o Indicador ESALQ/BM&- FBovespa Paranaguá teve média de R$ 166,38 por saca de 60 quilos em fevereiro, praticamente estável (-0,89%) em relação à de janeiro de 2021. Para o milho, o Indicador ESALQ/BM&FBovespa teve média de R$ 83,89/sc, também estável (+0,29%) na mesma comparação. Os estados que tiveram as maiores altas nos custos dos concentrados em fevereiro foram Minas Gerais (3,03%) e Paraná (1,58%).

Em fevereiro, o produtor de leite perdeu poder de compra frente ao milho pelo segundo mês seguido, sendo necessários 42,18 litros de leite para a aquisição de uma saca de 60 kg de milho, quantidade superior à registrada em janeiro de 2021, quando eram necessários 41,12 litros de leite para a aquisição de uma saca do cereal. Esse cenário refletiu a desvalorização de 2,24% do leite em fevereiro frente a janeiro e a leve alta do preço do milho.

As informações são do Rodolfo Jordão, em Boletim do Leite Cepea.