Bem-estar animal é decisivo para eficiência nas fazendas

06-04-2021 14:47:20

Bem-estar animal é decisivo para eficiência nas fazendas
A busca por uma gestão eficiente nas propriedades produtoras de leite está diretamente ligada ao bem-estar animal. Em Minas Gerais e no País a preocupação com os cuidados e conforto dados ao rebanho vem crescendo e já atende a uma tendência mundial. Ao garantir boas condições aos animais, é possível aumentar a produtividade e os índices de reprodução e reduzir a incidência de doenças e de mortes no rebanho.

O assunto será discutido no seminário “BEA Days – Bem-Estar Animal e o futuro do leite”, que acontece de hoje (6 de abril) a 8 de abril, no formato on-line, sempre às 19 horas. O evento envolverá produtores de leite, de insumos e serviços ligados à cadeia leiteira.

De acordo com a diretora de operações da Ideagri, agtech mineira especializada em softwares de gestão de fazendas de gado de corte e de leite, Heloise Duarte, a adoção de boas práticas que levam ao bem-estar animal já é uma realidade no mundo. Além da cobrança por parte do mercado consumidor, os pecuaristas já perceberam as vantagens.


“Ao garantir boas condições para os animais, eles irão expressar o melhor potencial genético. Na produção de leite isso é muito importante. As matrizes terão melhores taxas de reprodução, irão adoecer menos e gerar maior produção de leite. Tudo isso, contribui para uma melhor eficiência nas fazendas, gerando maior rentabilidade para os negócios”.

A tendência é que cada vez mais os produtores invistam no bem-estar animal. Além de ser fundamental para uma melhor eficiência, a tendência é de um mercado mais exigente e disposto a adquirir produtos que tragam um selo de “bem-estar animal”.

Segundo Heloise, a pesquisa “Consumo às cegas: percepção do consumidor sobre o bem-estar animal na América Latina”, realizada pela organização World Animal Protection e pelo Instituto Ipsos no Brasil, Chile, Colômbia e México, dá suporte à aprovação popular ao conceito do bem-estar animal.

De acordo com a pesquisa, embora 66% da população brasileira ainda não saiba como funciona o processo de produção de alimentos de origem animal, 82% dos brasileiros comprariam produtos que trouxessem um selo de “bem-estar animal”. Outro ponto importante é que para alcançar melhor eficiência na gestão, o bem-estar do rebanho é fundamental.


“Nós, da Ideagri, trabalhamos com várias fazendas e, entre elas, temos unidades que aderiram às regras para o bem-estar animal e estão certificadas. Ao avaliar as medidas necessárias para se ter uma gestão eficiente, notamos que as que se referem ao conforto dos animais já estão inseridas no processo. Isso mostra que uma boa gestão e eficiência estão diretamente ligadas ao bem-estar”, avalia.

Dentre as práticas para promover o bem-estar animal está o controle da temperatura ambiente, nutrição correta, práticas de higiene, controle de doenças, entre outras.

Para estimular e informar os produtores sobre a adoção do bem-estar, o seminário "BEA Days – Bem-Estar Animal e o futuro do leite”, que acontece até a próxima quinta-feira (8), mostrará as etapas dos processos de certificação, as vantagens, cases de sucesso, tendências e perspectivas do mercado consumidor e os processos de certificação no mundo.


“Com o seminário queremos mostrar ao produtor a importância do bem-estar de forma ampla e indicando visões de diferentes etapas de produção e do mercado. Acreditamos que a tendência é de aumento das certificações das fazendas no Brasil. Ainda não sabemos quando isso irá acontecer, mas é um movimento mundial”, disse Heloise.

As informações são do Diário do Comércio.