Exportações de lácteos do Uruguai alcançam maior valor médio desde 2019

25-05-2021 10:35:33

Exportações de lácteos do Uruguai alcançam maior valor médio desde 2019
Em abril, o valor médio das exportações de lácteos uruguaios passou a refletir a melhora das referências internacionais. Após o salto dos preços da Global Dairy Trade em março, as novas vendas começam gradativamente a entrar nos recordes de exportação, determinando uma melhora no valor médio.

Em abril, o país exportou 15.228 toneladas de laticínios por US $ 49,1 milhões (R$ 261,1 milhões) segundo informações do Instituto Nacional do Leite (Inale). O valor médio das exportações foi de US $ 3.225 (R$ 17,15) por tonelada, 5% superior ao de março e o maior desde julho de 2019, há 21 meses.

Por outro lado, os dados dos primeiros 10 dias de maio, conforme os pedidos de exportação informados pela Alfândega, mantêm a tendência de valorização com um valor médio de US $/t 3.364 (R$ 17,89), um aumento de 4,3% em relação à média de abril.


A melhora de preços ocorreu nos quatro principais produtos exportados, leite em pó integral e desnatado, manteiga e queijos. O leite em pó integral, o de maior peso relativo em função do volume exportado, aumentou 5,8% para US $ 3.327 (R$ 17,69) por tonelada, enquanto os outros três produtos subiram no eixo de 7% ao mês. A entrada de divisas caiu devido à queda no volume embarcado. Em abril foram exportadas 15.228 toneladas de lácteos, uma redução mensal de 3.000 toneladas.

Domínio chinês - Até o momento, os três principais destinos dos embarques de leite em pó integral foram a China com 12,3 mil toneladas; o Brasil com 12,1 mil toneladas e a Argélia com 11,1 mil toneladas. No entanto, em abril, a Argélia foi o principal destino dos embarques desse produto uruguaio com 3.424 toneladas, segundo dados da alfândega.


Depois de um início de ano com queda nos preços do leite no mercado brasileiro, em abril os preços voltaram a subir, por isso não seria surpresa se a demanda começasse a crescer. Em 2020, o Brasil era o segundo principal destino das exportações de leite em pó uruguaio — atrás da Argélia — mas houve vários momentos no segundo semestre em que se tornou o principal cliente.

A valorização do real nas últimas semanas torna os produtos importados mais competitivos. Há sinais de que a economia brasileira pode estar começando a sair da crise econômica, o que está valorizando a moeda do país. Se assim continuar, é provável que nos próximos meses do ano aumente sua demanda por lácteos, tanto uruguaios quanto argentinos.

As informações são do MilkPoint.