Seca na metade sul do país prejudica a produção de leite

02-06-2021 10:29:56

Seca na metade sul do país prejudica a produção de leite
A seca está presente nas bacias leiteiras do Centro-Oeste, Sudeste e Sul do país. Aliás, a falta de chuva agravou a seca do Rio Paraná, e é a pior da história em mais de 90 anos.

A falta de chuva prejudica o cultivo de pastagens, diminui a produtividade das lavouras de milho e a qualidade da silagem para produtores de leite. Além, do aumento do custo na produção.

Leite de cabra - Na Paraíba, o maior produtor de leite de cabra, vem crescendo sua produção nos últimos anos. Na faixa leste da Paraíba, choveu bastante e acima da média nesses primeiros meses de 2021.

Rebanho gaúcho - No Rio Grande do Sul, o rebanho leiteiro ainda apresenta boa condição corporal; porém, a produção do leite já é afetada pelo vazio outonal. Esse efeito negativo impacta menos nas propriedades nas quais já é possível realizar o pastejo das espécies cultivadas de inverno e naquelas que conseguiram manter a oferta de silagem, feno e ração concentrada aos rebanhos.


Alguns produtores continuam antecipando a secagem de matrizes em fase final de lactação para manutenção do estado corporal e para beneficiar a alimentação de matrizes com melhor produtividade. Houve menor incidência de carrapatos nos rebanhos, e o Clima mais frio e seco favoreceu o bem-estar dos animais. Produtores dão seguimento ao controle de verminoses e à vacinação contra brucelose em terneiras de três a oito meses de idade.

Preço - Embora o preço pago pelo leite tenha um ligeiro aumento, o elevado custo da ração tem preocupado os produtores com animais em sistema de confinamento, pois é necessário calcular muito bem o custo individual e buscar ainda mais desempenho de cada animal.


Milho - As últimas lavouras de milho safrinha estão sendo ensiladas. Em diversas regiões produtoras, parte da produção está comprometida por conta do déficit hídrico dos meses anteriores e da ocorrência de cigarrinha que impactou a disponibilidade e/ou a qualidade da silagem, além de outros problemas fitossanitários, como pulgões e viroses.

As informações são do AgroClima.