Com liquidez baixa, preços do milho voltam a recuar no Brasil

18-06-2021 15:00:12 Por: Carolina Camargo Nogueira Sales em Boletim do Leite Cepea

Com liquidez baixa, preços do milho voltam a recuar no Brasil
Após acumularem fortes altas e atingirem recordes reais, os preços do milho caíram na primeira quinzena de junho, influenciados pela proximidade da colheita da segunda safra 2020/21. Compradores adiaram as negociações de grandes lotes, na perspectiva de melhores oportunidades com o avanço da colheita. Vendedores, por sua vez, estiveram receosos em ofertar volumes elevados, visto que muitos ainda estão incertos com a produtividade das lavouras e os estoques estão baixos. Nesse cenário, a liquidez está baixa.

Assim, no acumulado da primeira quinzena de junho (31 de maio e 15 de junho), o Indicador ESALQ/BM&FBovespa (Campinas- SP) caiu fortes 6,8%, fechando a R$ 93,27/saca de 60 kg no dia 15. Na média das regiões acompanhadas pelo Cepea, as cotações recebidas pelo produtor (mercado de balcão) recuaram 2,4% entre 31 de maio e 15 de junho. No mercado de lotes (negociações entre empresas) as cotações caíram 3,4% no mês.

Já no mercado internacional, a perspectiva de estoques mais justos elevou os preços na Bolsa de Chicago (CME Group). Assim, entre 28 de maio e 15 de junho, o contrato Jul/21 se valorizou 1,64%, fechando a US$ 6,675/bushel (US$ 262,78/t) no dia 15. O contrato Set/21 avançou 3,23%, indo para US$ 5,9175/bushel (US$ 232,96/t).

As informações são da Carolina Camargo Nogueira Sales em Boletim do Leite Cepea.